Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

OIT aposta em pequenas empresas para melhorar emprego na AL

As dez milhões de micro e pequenas empresas que existem na América Latina e no Caribe são o caminho para melhorar a situação do emprego na região, diz a OIT

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Empregos: pequenas e médias empresas oferecem postos de trabalho a cerca de 127 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe
 (AFP)

Empregos: pequenas e médias empresas oferecem postos de trabalho a cerca de 127 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe (AFP)

D
Da Redação

Publicado em 8 de setembro de 2015 às, 19h18.

Lima - As dez milhões de micro e pequenas empresas (MPEs) que existem na América Latina e no Caribe são o caminho para melhorar a situação do emprego na região, apesar dos desafios que apresentam por sua baixa produtividade e alta informalidade, segundo um relatório divulgado nesta terça-feira pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

As MPEs geram a maior parte do emprego (47%), ou seja, oferecem postos de trabalho a cerca de 127 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe, enquanto apenas 19% do emprego é gerado nas empresas médias e grandes, segundo o relatório da OIT "Pequenas empresas, grandes brechas".

A esta estrutura produtiva é preciso acrescentar 76 milhões de trabalhadores autônomos, que representam 28% do emprego, e outro 5% corresponde ao trabalho doméstico.

Na apresentação do relatório, o Diretor da OIT para a América Latina e o Caribe, José Manuel Salazar, disse que o predomínio das MPEs gera "grandes brechas de trabalho decente e condições trabalhistas, e ao mesmo tempo é um freio para o crescimento da produtividade".

Salazar ressaltou a necessidade de gerar um ambiente favorável para que as MPEs melhorem suas condições e engrossem a camada de empresas médias.

No plano trabalhista, o predomínio das MPEs se reflete em brechas importantes em relação à empresas maiores quanto à qualidade de emprego, de receita, de produtividade, de informalidade, de cobertura da previdência social, e de grau de sindicalização, entre outros.

Segundo o relatório, a taxa de informalidade não agrícola chega quase a 59% nas empresas com menos de 10 empregados, baixa a 14,4% nas quais têm mais trabalhadores e sobe a 82% entre os trabalhadores autônomos.

As brechas também se evidenciam na proteção social, já que só 13% dos trabalhadores autônomos tem seguro de saúde, o que soube para 32% nas microempresas, 86% nas pequenas empresas e supera 90% nas grandes empresas.

Em relação ao nível educativo, apenas 12% dos trabalhadores autônomos tem educação superior, o que aumenta a 15% nas microempresas, 27% nas pequenas empresas e para pouco acima de 50% nas grandes empresas.

Os principais obstáculos para o desenvolvimento das MPEs são o acesso ao financiamento, a concorrência do setor informal, o sistema tributário, uma força de trabalho com educação inadequada e os delitos, o roubo e a desordem.

Segundo as conclusões do relatório, um entorno mais propício eliminaria estes e outros obstáculos para o crescimento das MPEs e ajudaria a engrossar o segmento de empresas de tamanho médio, o que é uma mudança estrutural que a região necessita para elevar sua produtividade, criar mais e melhores empregos e reduzir a desigualdade.

Salazar ressaltou a necessidade de contar com uma combinação de políticas para apoiar as MPEs e assinalou que são necessárias políticas de desenvolvimento produtivo, com iniciativas trabalhistas, educativas e de formação que melhorem a qualidade do emprego e repercutam sobre outros aspectos fundamentais, como o respeito aos direitos no trabalho.

Entre as medidas sugeridas pela OIT como parte de políticas integrais para as MPEs está a simplificação da regulamentação, o acesso ao financiamento, as medidas de apoio à formalização tanto empresarial como laboral, as estratégias para aumentar a produtividade, as incubadoras de empresas, o acesso a tecnologia e processos de inovação, e os programas de formação, entre outros.

O representante da OIT ressaltou que é preciso redobrar os esforços que permitam às MPEs crescer e melhorar seus resultados "para o desenvolvimento dos mercados de trabalho e o crescimento do emprego na região, assim como para a transformação produtiva e o aumento da produtividade de nossas economias". 

Últimas Notícias

Ver mais
Mercosul e UE anunciam avanços nas negociações e esperam concluir acordo rapidamente

Economia

Mercosul e UE anunciam avanços nas negociações e esperam concluir acordo rapidamente

Há 3 horas

É importante que a UE tenha relações comerciais estáveis com a China, diz von der Leyen

Economia

É importante que a UE tenha relações comerciais estáveis com a China, diz von der Leyen

Há 4 horas

Mercosul e Singapura assinam acordo de livre comércio, o primeiro com país asiático

Economia

Mercosul e Singapura assinam acordo de livre comércio, o primeiro com país asiático

Há 5 horas

Importações e exportações da China nos primeiros 11 meses permanecem estáveis

Economia

Importações e exportações da China nos primeiros 11 meses permanecem estáveis

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Desktop investe no interior e alcança 1 milhão de clientes de internet banda larga em São Paulo

Desktop investe no interior e alcança 1 milhão de clientes de internet banda larga em São Paulo

CPFL fortalece sua estratégia ESG com compromissos ambiciosos para 2030

CPFL fortalece sua estratégia ESG com compromissos ambiciosos para 2030

Uso de dados será principal desafio na gestão de pessoas em 2024

Uso de dados será principal desafio na gestão de pessoas em 2024

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais