A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Oferta restrita de boi para abate sustenta arroba no Brasil

Segundo especialistas, expectativa de firmeza da demanda também deve tornar mais aguda a alta num período do ano em que os preços normalmente registram ganhos

São Paulo - Uma oferta restrita de animais para abate, demanda interna sustentada e melhora das vendas externas têm fortalecido os preços da arroba bovina no Brasil, que deve subir mais nos próximos meses, apontaram especialistas nesta segunda-feira.

A expectativa de firmeza da demanda interna e externa, com um dólar favorecendo os embarques do Brasil, também deve tornar mais aguda a alta da arroba num período do ano em que os preços normalmente registram ganhos.

"Para exportação, está muito bem. Há tempos que não se via um cenário tão positivo... É um momento favorável para os frigoríficos", disse a consultora da FCStone Lygia Pimentel.

Beneficiado por um dólar mais forte, que torna o produto brasileiro mais competitivo no mercado global, as vendas externas de carne bovina encerraram o semestre com crescimento de 21 por cento em volume e de 13 por cento em receita, em recorde de 3 bilhões de dólares.

"O volume exportado foi maior e melhor remunerado, isso acelerou os abates... Por isso, vemos uma arroba firme em plena safra", disse a consultora.

A entressafra do setor ocorre entre julho e novembro, quando a oferta de boi gordo para abate é menor, por conta do período mais seco do ano que compromete o potencial de nutrição das pastagens.

O dado mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os abates de bovinos no primeiro trimestre cresceram quase 13 por cento ante o mesmo período de 2012, somando 8,13 milhões de cabeças.


O valor da arroba superou 100 reais no final de junho, e vem mantendo trajetória de alta desde então, tendo atingido 102,48 reais por arroba na última sexta-feira no mercado paulista (referência), contra 92,35 reais na mesma data do ano passado, mostrou o indicador Esalq/BM&FBovespa elaborado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Confinamento

A consultora da FCStone lembra ainda que a oferta de animais prontos para abate também ficou comprometida pelo cenário de preços elevados do insumo, especialmente do milho, utilizado para a engorda dos animais no período de menor disponibilidade do pasto, através do sistema de confinamento.

"Isso afetou o primeiro giro (etapa) do confinamento, porque o pecuarista estava esperando o preço do milho recuar, mas isso demorou para ocorrer", disse Lygia.

O confinamento dura cerca de 90 dias, em média, podendo ser feito em duas ou três etapas, com a primeira começando entre maio e junho.

No Brasil, o confinamento representa o equivalente a cerca de 10 por cento do abate total do país, de cerca de 31 milhões de cabeças.


O sócio e coordenador de pecuária da Agroconsult, Maurício Nogueira, lembra que os custos elevados de grãos fizeram alguns pecuaristas limitarem a primeira etapa do confinamento, justamente no período em que a demanda por animais prontos para abate cresceu.

Agora, disse ele, a tendência é de elevar o confinamento, em meio à melhora dos preços no mercado à vista e dos valores futuros na BM&F/Bovespa.

Tradicionalmente, a demanda por carnes é mais forte no segundo semestre em meio às compras que antecedem as festas de final de ano.

Pico no Último Trimestre

O diretor da Informa Economics FNP, José Vicente Ferraz, disse que os preços estão mais firmes que o esperado, porque a oferta de animais está estreita, enquanto a demanda interna segue sustentada e a externa também vai bem.

"Entre outubro e novembro, estes preços devem atingir o pico, a tendência é de firmeza grande... Pode até superar os 110 reais vistos no passado", avaliou.

Contudo, Ferraz pondera que será preciso observar o comportamento do mercado interno.

"As exportações estão indo bem. A dúvida que poderia surgir é quanto ao mercado interno, se o panorama macroeconômico pode ter impacto no emprego e consumo", disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também