Economia

Mercadante diz que votação de LCD no Senado deve ficar para próxima semana por causa do feriado

Presidente do BNDES prevê uma arrecadação de R$ 10 bilhões no ano com o instrumento

Aloízio Marcadante, presidente do BNDES (EVARISTO SA/AFP via/Getty Images)

Aloízio Marcadante, presidente do BNDES (EVARISTO SA/AFP via/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 27 de maio de 2024 às 15h26.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, afirmou nesta segunda-feira, 27, que o projeto que trata das Letras de Crédito de Desenvolvimento (LCD) deve ser votado no Senado na próxima semana.

A expectativa era que o tema fosse apreciado ainda nesta semana, mas a pauta ficou prejudicada por conta do feriado.

O presidente do BNDES prevê uma arrecadação de R$ 10 bilhões no ano com o instrumento, que tem como objetivo viabilizar o fomento a investimentos no setor produtivo.

Mercadante participou na manhã desta segunda-feira de evento da Prefeitura do Rio de Janeiro, em que anunciou um financiamento de R$ 117 milhões a um projeto do município para ações de monitoramento, prevenção e resposta a desastres.

Parceria com a Vale

Após o discurso, ele comentou brevemente o lançamento do edital feito pelo banco de fomento em parceria com a mineradora Vale, também nesta segunda-feira.

"Estamos lançando um fundo para minerais críticos. O BNDES vai entrar com 25%. A expectativa é chegar a R$ 1 bilhão para fomentar empresas que estão produzindo, e podem produzir, desenvolver áreas de fronteira tecnológica, que são os minerais críticos - o que é muito importante para a transição energética e para impulsionar a mobilidade elétrica", disse Mercadante a jornalistas.

Acompanhe tudo sobre:ValeBNDESAloizio Mercadante

Mais de Economia

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos: dinheiro ainda é base de transações, mas 41% dos brasileiros preferem Pix

Mais na Exame