Economia

Meirelles: Problemas na Europa não se comparam a 2008

Meirelles enfatizou a importância de uma regulação firme das instituições financeiras para manter um sistema sólido contra crises

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de abril de 2010 às 23h19.

São Paulo - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta quinta-feira que os problemas fiscais na Europa não devem provocar uma crise comparável à de 2008 e acrescentou que o Brasil está mais resistente a abalos externos.

Embora admita que seja possível um agravamento da crise, ele evitou projeções pessimistas.

"As perdas são dimensionadas e conhecidas, inclusive a perda potencial", disse Meirelles a jornalistas após evento em São Paulo.

"O Brasil mostrou em 2008 que está bem preparado para enfrentar crise (...) e essa resistência na realidade depois da crise aumentou, e não diminuiu", acrescentou ele, citando o aumento das reservas internacionais, a maior confiança de empresários e consumidores e a expansão "vigorosa" da economia.

Meirelles enfatizou a importância de uma regulação firme das instituições financeiras para manter um sistema sólido contra crises.

"O grande desafio é que os problemas não são criados na contração, são criados na expansão", afirmou.

Ele não fez comentários sobre política monetária e disse que as observações do Banco Central sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) serão apresentadas na ata da reunião, a ser divulgada na próxima semana.

Na véspera, o Copom elevou a taxa básica de juros em 0,75 ponto, para 9,50 por cento ao ano, em decisão unânime.

Sobre câmbio, Meirelles reiterou que o Banco Central não tem uma meta para o dólar e que os leilões de compra de dólares no mercado têm objetivo de enxugar o fluxo excedente de moeda estrangeira para o país.

Nesta quinta-feira, o BC comprou dólares em duas operações. Apesar disso, a moeda fechou em baixa de 1,20 por cento, a 1,732 real, na menor cotação de fechamento frente ao real desde janeiro.
 

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralCrises em empresasExecutivos brasileirosHenrique MeirellesMercado financeiroPersonalidades

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame