Economia

Hollande: BCE deveria emprestar por meio do fundo ESM

Segundo o candidato socialista à presidência da França, François Hollande, com a atual política, o BCE escolheu a forma mais cara de apoiar os Estados

Hollande: "em vez de o banco central emprestar aos bancos, ele poderia emprestar diretamente ao fundo (ESM)" (Getty Images)

Hollande: "em vez de o banco central emprestar aos bancos, ele poderia emprestar diretamente ao fundo (ESM)" (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de maio de 2012 às 10h29.

Paris - O Banco Central Europeu deveria ajudar mais ativamente os países problemáticos da zona do euro com empréstimos em dinheiro por meio do fundo de resgate da região, disse nesta quarta-feira o candidato socialista à presidência da França, François Hollande.

Em comentários que provavelmente levantarão críticas entre formuladores de política econômica e de Berlim, Hollande disse que, já que o banco central não está inclinado a oferecer empréstimos aos governos, deveria em vez disso emprestar ao Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (ESM, na sigla em inglês).

Hollande, que deve derrotar o atual presidente francês, Nicolas Sarkozy, na eleição de domingo, disse em uma entrevista à mídia francesa que, com a atual política, o BCE escolheu a forma mais cara de apoiar os Estados.

O banco central estava oferecendo aos bancos empréstimos a 1 por cento, que em troca poderiam repassar esses fundos à Espanha por quase 6 por cento e para a Itália por um pouco menos, ele disse.

"Ou o Banco Central Europeu deveria emprestar diretamente aos Estados, o que se nega a fazer agora, ou há outra opção", disse Hollande à BFM TV e à rádio RMC.

"... em vez de o banco central emprestar aos bancos, ele poderia emprestar diretamente ao fundo (ESM)." O fundo de resgate de 550 bilhões de euros será ativado em julho.

Acompanhe tudo sobre:BCEEleiçõesEuropaFrançaPaíses ricos

Mais de Economia

FGTS tem lucro de R$ 23,4 bi em 2023, maior valor da história

Haddad diz que ainda não apresentou proposta de bloqueio de gastos a Lula

FMI confirma sua previsão de crescimento mundial para 2024 a 3,2%

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Mais na Exame