Holcim e Itambé participaram de cartel, diz Cade

Conselheiro do Cade afirmou que há provas da participação das empresas no esquema de cartel de cimento

	Trabalhador empilha sacos de cimento da Holcim: companhia é uma das relacionadas no esquema de cartel
 (Kemal Jufri/Bloomberg News)
Trabalhador empilha sacos de cimento da Holcim: companhia é uma das relacionadas no esquema de cartel (Kemal Jufri/Bloomberg News)
Por Laís Alegretti, Eduardo RodriguesPublicado em 22/01/2014 20:34 | Última atualização em 22/01/2014 20:34Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Brasília - O conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) Alessandro Octaviani, relator do processo que investiga o cartel de cimento, afirmou nesta quarta-feira, 22, que há provas da participação das empresas Holcim do Brasil e Cia de Cimento Itambé no esquema.

Octaviani ainda afirmou que as provas mostram que a Associação Brasileira de Cimentos Portland (ABCP), a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (Abesc) e o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic) também participaram do cartel.

Para Octaviani, a Lafarge cumpriu suas obrigações e, por isso, está livre do processo de cartel. Em 2007, a empresa firmou um Termo de Cessação de Conduta (TCC) com o Cade, reconhecendo sua culpa e cumprindo uma série de obrigações com o órgão antitruste. A empresa ainda pagou, na época, uma contribuição pecuniária de R$ 43 milhões.

Em relação à Cimentos Liz (antiga Soeicom), segundo o relator, não foi encontrada nenhuma prova de participação no conluio. A empresa, ao contrário, teria sido vítima do cartel. Mais cedo, o relator já havia dito que havia comprovação de que Votorantim, Itabira Agro Industrial e Intercement (antiga Camargo Corrêa Cimentos) e Cimpor participaram do cartel. Octaviani ainda não detalhou as penas que serão propostas.