Economia

Falências de empresas caem 21% no primeiro semestre, aponta Serasa

De acordo com a consultoria, o total de falências decretadas pela Justiça baixou de 397 para 314

O indicador apontou também uma queda de 6,6% no número de requerimentos de falências

O indicador apontou também uma queda de 6,6% no número de requerimentos de falências

DR

Da Redação

Publicado em 6 de julho de 2011 às 12h33.

São Paulo – O número de falências de empresas decretadas pela Justiça caiu 20,9% no primeiro semestre deste ano ante o mesmo período do ano passado. De acordo com a consultoria Serasa Experian, o total de falências decretadas baixou de 397 para 314.

Os dados fazem parte do último relatório do Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, divulgado hoje (6). Segundo ele, das empresas com falência decretada, 282 eram pequenas (89%), 20 eram médias (6%); e 12 eram grandes (4%).

O indicador apontou também uma queda de 6,6% no número de requerimentos de falências feitos à Justiça. No primeiro semestre deste ano, 877 empresas apresentaram o pedido. Nos primeiros seis meses do ano passado, esse número foi 939.

Do total de falências requeridas, 578 são de pequenas empresas (66%); 195 de médias empresas (22%) e 104 de grandes empresas (12%).

Para os economistas da Serasa, tanto o número de falências decretadas quanto o de falências requeridas ficaram abaixo do estimado. Eles esperam, entretanto, que a quantidade de falências cresça nos próximos meses. “Desaquecimentos setoriais em decorrência da política monetária e a alta da inadimplência do consumidor tendem a pressionar a rentabilidade empresarial”, dizem em comunicado divulgado pela Serasa.

Um sinal dessa tendência, apontaram os economistas, é o crescimento de 14,9% dos pedidos de recuperação judicial no primeiro semestre. O número passou de 208 para 239.

Acompanhe tudo sobre:Empresasempresas-de-tecnologiaExperianFalênciasJustiçaSerasa Experian

Mais de Economia

Lula diz que a fome 'existe por decisão política' e quer tirar o Brasil do Mapa da fome até 2026

Taxação global de 2% sobre super-ricos arrecadaria de US$ 200 a US$ 250 bi por ano, diz Haddad

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Mais na Exame