Desconto na água deve reduzir IPCA

A mudança passará a valer já para o IPCA de maio, que será divulgado pelo instituto na próxima sexta-feira

São Paulo - O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai mudar o cálculo do item "taxa de água e esgoto" na apuração da inflação em São Paulo, o que pode reduzir a taxa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em até 0,1 ponto porcentual já na divulgação da próxima semana e ajudar o governo a cumprir a meta de inflação no ano.

A equipe da Coordenação de Índices de Preços do órgão usará dados fornecidos pela Sabesp para permitir que os indicadores de inflação apurados captem o efeito dos descontos de 30% na tarifa oferecidos aos clientes que economizaram na conta de água.

A mudança passará a valer já para o IPCA de maio, que será divulgado pelo instituto na próxima sexta-feira.

"Dessa forma, a estimativa da variação do subitem ‘taxa de água e esgoto’ estará refletindo os efeitos do Programa de Incentivo à Redução de Consumo de Água", comunicou o IBGE, em nota técnica divulgada no site da instituição.

Efeito

A mudança deve resultar numa redução da inflação oficial no mês entre 0,05 e 0,10 ponto porcentual, de acordo com projeção do economista sênior do Besi Brasil, Flávio Serrano. Antes da alteração no cálculo, o Besi estimava que a inflação oficial de maio ficasse em 0,43%. Agora, a instituição espera alta de 0,37%.

A mediana das estimativas de analistas do mercado financeiro para o IPCA de maio no Boletim Focus, do Banco Central, era de 0,45% na última Segunda-feira.

"Certamente veremos uma revisão geral por parte do mercado. Provavelmente não no Focus desta segunda-feira (dia 2 de junho). Mas ao longo da semana, as projeções irão mudar", pontuou Serrano, que prevê impacto também no IPCA-15 de junho, a prévia da inflação oficial do mês.

Caso o desconto dado pela Sabesp nas tarifas de água seja mantido até o fim deste ano, também haverá um impacto de baixa no IPCA no fechamento de 2014, o que ajudará o governo a manter a inflação oficial dentro do teto da meta, de 6,5%.

O Besi Brasil, por exemplo, revisaria sua estimava para a inflação no ano de 6,4% para 6,3%. "Quando as tarifas voltarem ao normal, no entanto, haverá um efeito de alta no IPCA", ponderou Serrano.

Em outra nota técnica, o IBGE informou que o cálculo da inflação para a região metropolitana do Rio de Janeiro levará em conta apenas o preço unitário dos subitens "metrô" e "trem", que foram reajustados a partir de 18 de maio deste ano.

A tarifa do metrô aumentou de R$ 3,20 para R$ 3,50, enquanto a do trem passou de R$ 2,90 para R$ 3,20. O desconto nos preços obtido pelos usuários do Bilhete Único não serão considerados para o cálculo da inflação.

O órgão explicou que, no período da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2008-2009, que deu origem às atuais estruturas de ponderações dos índices de preços medidos pelo IBGE, o Bilhete Único não existia, tendo sido instaurado pela Lei 5628/09 apenas em 29 de dezembro de 2009.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.