Brasil deve ter sobras de energia elétrica até 2019

O consumo atual é cerca de 10 por cento inferior ao que foi estimado na época em que as distribuidoras compraram energia em leilões

Rio de Janeiro - O Brasil deve continuar com sobras de energia elétrica contratada até 2019 devido à queda do consumo com a crise econômica e a forte elevação das tarifas no ano passado, disse nesta sexta-feira o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata.

Barata, que participou de evento do setor, disse que o consumo atual é cerca de 10 por cento inferior ao que foi estimado na época em que as distribuidoras compraram energia antecipadamente em leilões para atender à demanda futura.

Barata espera uma retomada do PIB em breve para que a demanda por energia no país volte a crescer.

Ele disse que, do ponto de vista do abastecimento de energia, as sobras são um aspecto positivo da crise econômica. "Esse é um aspecto positivo de um quadro econômico muito ruim...mas eu quero ter problema, que o PIB volte a crescer logo”, brincou.

Nordeste

O diretor do ONS destacou que, apesar de haver uma sobra de energia de maneira geral, a região Nordeste vem enfrentando um momento complicado em razão do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas.

Com a seca, o Nordeste está sendo sustentado por geração eólica e térmica, além do envio de energia por outras regiões.

Segundo ele, essa transferência de energia para o Nordeste está em 3 mil megawatts em médios, e a perspectiva é de que o envio para a região se estenda para o ano de 2017.

"É difícil acreditar que vamos ter uma reversão climática total na região Nordeste", declarou o diretor geral do ONS.

Apesar das dificuldades, a previsão é que o nível dos reservatórios do Nordeste melhore até o fim do ano, quando começa o período de chuvas. A exceção deve ficar por conta da usina de Sobradinho, onde o nível de armazenamento é mais crítico.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.