Bradesco vê retomada de crédito ainda em 2017, diz Trabuco

A projeção do Bradesco é de que o PIB brasileiro suba 2% no ano que vem, destacou o economista-chefe do banco

São Paulo - O Brasil está saindo de um ciclo de retração do crédito e o volume de concessões de empréstimos tende a aumentar gradativamente a partir do fim de 2017, tendo as privatizações e licitações como motor de crescimento, afirmou nesta quinta-feira o diretor-presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco.

"A retomada do crédito vai depender do PIB e da taxa de investimento da economia", disse Trabuco a jornalistas em encontro de executivos da instituição com analistas e investidores, em São Paulo.

A projeção do Bradesco é de que o Produto Interno Bruto brasileiro suba 2 por cento no ano que vem, destacou o economista-chefe do banco, Fernando Honorato Barbosa, também presente no evento. "Estamos na ponta neutra (das estimativas do mercado), com viés para cima, mas tudo vai depender do ambiente político", comentou.

O segundo maior banco privado do país ainda projeta a inflação em alta de 4 por cento em 2018, e a Selic em 7,5 por cento ao fim deste ano. "Ouso dizer que talvez tenhamos o período mais prolongado de juros baixos na história", acrescentou o economista-chefe.

Por ora, a instituição vê diversos indicadores sustentando uma perspectiva de que economia pode sair de recessão dos últimos três anos, que para Trabuco foi um "real teste de estresse para o Bradesco e para todo o sistema bancário".

Perguntado sobre possíveis revisões em estimativas de inadimplência e provisões para o terceiro trimestre, o presidente do banco ponderou que todos os casos específicos já estão mapeados e que as renegociações com empresas estão feitas com reforços de garantias.

"Não vemos necessidade de revisão de 'guidance' porque a expectativa é de que a queda das margens será compensada por aumento no volume de operações", afirmou Trabuco, citando também o programa lançado na véspera pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"Vamos ser ativos em capital de giro para pequenas e médias empresas", disse.

O diretor financeiro e de relações com investidores, Alexandre Glüher, afirmou que o segmento pessoa física já vem registrando mais pedidos de crédito, enquanto a carteira de pessoa jurídica encontra-se perto da estabilização, devendo registrar expansão mais perto do fim deste ano.

Sinergias

A aquisição do HSBC Brasil pelo Bradesco deve gerar 3,5 bilhões de reais em redução de custos e sinergias antes de impostos, informou Glüher. De acordo com ele, a integração sistêmica das operações foi concluída com sucesso e a captura de sinergias deve ser finalizada no fim de 2018.

O banco já registrou crescimento de 51 por cento nas linhas de crédito, e de 41 por cento em investimentos e previdência com os clientes oriundos do HSBC.

Cartões

A bandeira Elo, do Bradesco e do Banco do Brasil, atingiu uma participação de mercado de 12 por cento desde sua implementação, acumulando 118 milhões de cartões emitidos, ressaltou o diretor vice-presidente do Bradesco, Marcelo Noronha, que durante o encontro falou sobre a estratégia do banco para atacado e cartões.

Noronha também disse que o programa de fidelidade Livelo atingiu "break-even" em seu primeiro ano de operação, com mais de 15 milhões de clientes cadastrados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.