BC é otimista com inflação, avalia a Rosenberg

BC prevê altas de 5,8% este ano, de 5,6% no encerramento de 2014 e de 5,3% em 2015 do IPCA

São Paulo - O Banco Central (BC) pareceu ter uma visão mais positiva do cenário de inflação, ao acreditar em altas de 5,8% este ano, de 5,6% no encerramento de 2014 e de 5,3% em 2015 do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A crença provavelmente está alicerçada no aperto monetário empregado pela instituição.

No entanto, o ciclo iniciado em abril de 2013 não deve ser suficiente para trazer a inflação para a "otimista" estimativa de 5,6% para o próximo ano, na avaliação do economista da Rosenberg & Associados Fernando Parmagnani após a divulgação, pelo BC, do Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

De acordo com ele, há vários elementos que podem pressionar a inflação. Um deles é o comportamento dos preços administrados, aqueles insensíveis às condições de oferta e demanda, uma vez que são estabelecidos por contrato ou por órgão público, como é o caso dos combustíveis e da eletricidade. "Reajustes que não foram dados este ano vão ficar mais difíceis de segurar no próximo."

Parmagnani também chamou a atenção para o câmbio. "Apesar de o Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) ter anunciado a retirada gradual de estímulos da economia a partir de janeiro, o dólar não está em perspectiva de explosão. Mas pode ser que isso ocorra."

Ele lembrou ainda que a nota de rating do Brasil pode sofrer um rebaixamento, com consequência na relação entre o real e a moeda americana. "E todos esses riscos estão em ano de Copa de Mundo", destacou.

Superávit

O economista da Rosenberg também classificou como "bem otimista" a previsão do BC de um superávit primário das contas do setor público de 2,1% em 2014 para manter estável a relação entre a dívida líquida do setor público e o Produto Interno Bruto (PIB).

"Apesar de haver perspectiva favorável para arrecadação, fica a dúvida sobre se o governo vai bancar alguns reajustes que podem ocorrer", disse Parmagnani, acrescentando que os gastos do governo devem aumentar por causa do ano eleitoral.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.