Governo corre para fechar o déficit de 159 bilhões de reais

Governo vai privatizar Casa da Moeda e 14 aeroportos

Nesta quinta-feira o governo vai editar uma medida provisória para permitir o saque por aposentados de contas do PIS/Pasep. A medida é mais um objeto adicionado ao imenso malabarismo do governo para estimular a economia e conseguir fechar as contas no déficit de 159 bilhões de reais e reativar a economia de uma vez por todas. Ao todo, o governo deve permitir o saque de 15,9 bilhões de reais e beneficiar 7,8 milhões de cotistas.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

“É uma medida como a das contas inativas do FGTS. O impacto na arrecadação, com impostos, não deve ser grande, mas o foco é ajudar a estimular a economia, que ainda dá os primeiros sinais positivos. Funciona como um energético”, diz Fábio Klein, analista da consultoria Tendências.

A medida se soma ao pacote com 57 privatizações anunciado pelo governo ontem. Os projetos, que integram o Programa de Parcerias de Investimento (PPI) do governo vão ajudar a fechar as contas deste e do próximo ano. Os projetos previstos para até o final deste ano incluem as rodovias BR 153 (GO/TO), a BR 364 (RO/MT), terminais portuários, 11 lotes de linhas de transmissão e rodadas de petróleo e gás do pré-sal. A venda da loteria Lotex, prometida desde o governo Dilma e já anunciada no primeiro pacote de PPI do governo Temer, também tem leilão programado para o dia 10 de dezembro.

O novo pacote foi bem recebido por economistas e investidores. Para eles, o anúncio fomenta a agenda de infraestrutura do país e fortalece o programa de PPI, uma das principais bandeiras do governo Temer. O risco, como sempre, é que o caótico cenário político leve ao adiamento dos leilões e fruste as receitas. O perigo maior é para as privatizações marcadas para o segundo semestre de 2018, como a da Casa da Moeda, em meio às eleições no país.

Apesar de ter aumentado o déficit para este e para o próximo ano, o governo continua dependente de receitas extraordinárias para cumprir as metas. Com tanta pressa, o maior desafio é convencer investidores a pagar o preço justo pelos ativos, numa equação que, no fim das contas, beneficie o erário, mas, sobretudo, a população.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.