• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Novos humanos: China cria plano para barrar edição genética em bebês

Em 2018, a notícia de que um biólogo chinês teria criado os primeiros humanos com DNA modificado em laboratório reacendeu o debate sobre ética da ciência daquele país. Quatro anos depois, ficou mais difícil ultrapassar os mesmo limites de Jiankui
He Jiankui, biólogo geneticista que criou os primeiros humanos modificados geneticamente: escândalo foi ponto de virada para a ética em pesquisas com humanos na China (Getty Images/Anthony Kwan)
He Jiankui, biólogo geneticista que criou os primeiros humanos modificados geneticamente: escândalo foi ponto de virada para a ética em pesquisas com humanos na China (Getty Images/Anthony Kwan)
Por André LopesPublicado em 28/04/2022 11:14 | Última atualização em 28/04/2022 14:49Tempo de Leitura: 2 min de leitura

“Sinto a forte responsabilidade de não só chegar primeiro, mas também de estabelecer um exemplo. A sociedade decidirá o que fazer a seguir.” Foi assim que o biólogo chinês He Jiankui apresentou ao mundo, em 2018, seu feito científico controverso: a edição genética de dois bebês humanos para que fossem imunes ao vírus HIV.

De lá pra cá, como previu Jiankui na época, a sociedade chinesa decidiu, ou pelo menos o governo chinês, que experimentos que resultem em humanos aprimorados, ou que possam sofrer por falhas não previstas, não devem mais acontecer. 

Quais são os maiores desafios da ciência? Descubra ao assinar a EXAME: menos de R$ 11/mês.

O mais recente movimento nesse sentido foi um documento distribuído pelo Conselho de Estado da China no qual se pede às instituições de pesquisa que expandam e melhorem o treinamento em ética, aplicando punições para os cientistas.

A intenção é justamente criar uma forma de barrar as lacunas exploradas em experimentos do nível de edição de genes humanos.

O documento atribui a responsabilidade primária pela governança ética às instituições como universidades e laboratórios especializados, mas também pede o estabelecimento de uma associação de ética em ciência e tecnologia para o país.

O texto também afirma que as agências de financiamento e departamentos de pesquisa e desenvolvimento da indústria devem avaliar as violações e punir de acordo com as leis e regulamentos existentes, incluindo a recuperação de fundos, revogação de prêmios e qualificações profissionais e proibição de acesso a fundos públicos por um período de tempo fixo.

Na aplicação de suspensão aos cientistas, a ideia é dar consequências para quem explorar vazios jurídicos. Por exemplo, a pesquisa de Jiankui usando edição de genoma foi supervisionada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, mas então ele implantou embriões editados pelo genoma em mulheres, procedimentos que são supervisionados pelo Ministério da Saúde.

Foram essas lacunas de comunicação e regulamentos que tornaram mais fácil para Jiankui fazer o que fez, já que não estava claro qual autoridade era responsável por monitorar o seu trabalho.

Se tais orientações do governo bastarão para tornar a China mais ética, ainda não se sabe, mas o vale-tudo científico está sim perto do fim.

VEJA TAMBÉM

Pesquisa da USP e do Sírio alerta para mais variantes do coronavírus

Como um dinossauro brasileiro desencadeou um movimento mundial