Embalagens de fast-food contêm substância cancerígena que dura para sempre

Produto químico tóxico foi encontrado em embalagens de gigantes do setor de fast-food, como McDonald's e Burger King

Um tipo de substância química tóxica associada ao câncer foi encontrada em algumas embalagens de grandes redes de fast-food como McDonald’s e Burger King.

Um estudo divulgado pelo grupo de defesa ambiental Ecology Center, analisou 38 amostras de embalagens de alimentos em seis cadeias para PFAS, ou substâncias perfluoroalquil e polifluoroalquil. Quase metade das amostras apresentou resultados positivos quanto aos níveis de flúor que indicavam que a embalagem continha PFAS.

Os PFAS são uma categoria de produtos químicos que têm sido associados ao câncer, danos ao fígado, doenças da tireóide e problemas de desenvolvimento. Eles são usados para produção de materiais resistentes à água e à graxa. Eles são comumente encontrados em produtos como roupas, carpetes, estofados e embalagens de alimentos. Como resultado, os PFAS podem ser encontrados na corrente sanguínea de 99% dos americanos.

A exposição aos PFAS é uma preocupação especialmente alta no contexto da covid-19, uma vez que estão ligados à supressão do sistema imunológico como bem como condições crônicas que aumentam a gravidade da contaminação pelo vírus.

O estudo descobriu que os sacos de batatas fritas do Burger King e do McDonald’s continham resquícios de PFAS. Também foram encontrados nos recipientes de papelão Big Mac do McDonald’s, assim como as do Burger King Whopper.

A Food and Drug Administration (FDA), uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, proibiu o uso de apenas um pequeno número de produtos químicos da classe PFAS em embalagens de alimentos, mas continua permitindo o uso de muitos outros, apesar dos riscos apresentados. 

Fora dos EUA, a Dinamarca decretou a proibição do PFAS em embalagens de papelão e papel para alimentos, que entrou em vigor em 1º de julho de 2020. Os principais varejistas e restaurantes, incluindo Panera Bread, Taco Bell, Chipotle e Whole Foods Market também estão se afastando dos PFAS.

Mas este estudo mais recente revela que ainda há muito trabalho a ser feito para garantir que as principais redes de hambúrgueres usem embalagens mais seguras — sem PFAS.

Ao site americano de notícias, Business Insider, o Burger king afirmou que está “ansioso para estender uma política de ingredientes seguros para incluir a remoção do PFAS”. “Trabalharemos com nossos fornecedores para removê-los de todas as embalagens antes ou, quando possível, antes dos três anos recomendados pelo FDA.”

O McDonald’s disse que também está tomando medidas. “A segurança e o bem-estar de nossas comunidades são nossa principal prioridade […]. Eliminamos classes significativas de subconjuntos de PFASs das embalagens de alimentos do McDonald’s em todo o mundo”, afirmou o McDonald’s em comunicado.

Em comunicado enviado à EXAME, a Arcos Dourados, controladora do McDonald’s na América Latina e Caribe, afirmou que “nenhuma das embalagens utilizadas em sua operação conta com as substâncias PFAs”. “Reforçamos ainda que a segurança e o bem-estar das comunidades onde estamos inseridos são nossa principal prioridade e, por isso, contamos com um rigoroso acompanhamento de toda a nossa cadeia de fornecedores”, disse a companhia.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.