Casual

Volta da Vai-Vai marca 2º dia de desfiles em SP; veja programação

Maior campeã do carnaval paulistano, com 15 títulos, escola tem enredo inspirado em ave sagrada africana

Segunda noite do carnaval de São Paulo terá desfiles de sete escolas de samba (Liga-SP/Paulo Lopes/Divulgação)

Segunda noite do carnaval de São Paulo terá desfiles de sete escolas de samba (Liga-SP/Paulo Lopes/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de abril de 2022 às 09h58.

Sete escolas de samba desfilam na segunda noite do carnaval de São Paulo, a partir das 22h30 deste sábado, 23. Como na sexta-feira, os enredos seguem variados, com temáticas como a desigualdade social, a trajetória da cantora Clementina de Jesus, a diversidade étnica e religiosa, a comunicação do início até os influenciadores digitais e a entidade Zé Pilintra, entre outros. Mas o centro das atenções deve ficar para a exibição, logo no início, da Vai-Vai.

Maior campeã do carnaval paulistano, com 15 títulos, a Vai-Vai abrirá a segunda noite com o enredo Sankofa!, inspirado em uma ave sagrada africana, relacionada ao ensinamento que "nunca é tarde para voltar atrás e buscar o que ficou perdido". A autoria é do carnavalesco Chico Spinoza.

Veja também
Carnaval: após dois anos, escolas de samba voltam ao Sambódromo
Dia Mundial do Livro: 12 livros recomendados por CEOs

A proposta conversa com a trajetória da escola, nascida em 1930 como cordão e uma das mais tradicionais, que retorna após um ano no Acesso I, no qual se sagrou campeã em 2020 - na sequência, houve a paralisação por causa da pandemia de covid-19. O samba-enredo é de autoria do cantor Xande de Pilares e de Rodrigo Peu, Claudio Russo, Junior Gigante, Jairo Limozine, Silas Augusto, Zé Paulo Sierra e Bruno Giannelli.

O samba faz alusões à trajetória da própria escola, citando nomes históricos como os do sambista Geraldo Filme e de Dona Olívia, uma dos fundadores. "Tambor africano de negra bravura/ É o mesmo tambor da Saracura/ Quilombo do samba não morre jamais/ Eu sou Vai-Vai."

Em seguida, às 23h35, a Gaviões da Fiel deve chamar a atenção com um enredo crítico, batizado de Basta!, sobre as desigualdades sociais. A escola tem anunciado que vai defender os valores da democracia, igualdade, sustentabilidade e paz durante o desfile.

Depois, à 0h40, será a vez da Mocidade Alegre, que ficou em terceiro lugar no último carnaval. O enredo Quelémentina, cadê você? faz homenagem à cantora Clementina de Jesus.

Na sequência, a Águia de Ouro desfilará a partir da 1h45. O enredo é voltado à exaltação da diversidade étnica e cultural brasileira e contra a intolerância religiosa. Fundada em 1976, a escola é a atual campeã do carnaval. O samba-enredo é batizado de Afoxé de Oxalá - No 'cortejo de babá', um canto de luz em tempo de trevas.

Às 2h50, será a vez da Barroca Zona Sul, que abordará a figura do Zé Pilintra, o malandro-boêmio considerado como entidade por religiões brasileiras de matriz africana. A penúltima escola a desfilar é a Rosas de Ouro, às 3h55, falando dos rituais e caminhos para a cura dos maless.

Por fim, a Império de Casa Verde entrará às 5h. O desfile viajará dos "primórdios da humanidade" até os influenciadores digitais para falar sobre "o poder das comunicações".

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Acompanhe tudo sobre:CarnavalEscolas de samba

Mais de Casual

Wine power: o poder dos bares de vinho na educação sobre a bebida

Antonio Forjaz, da Sportingbet, mostra a rotina multiesportiva de um executivo

O Brasil é apaixonado por picapes, e o CEO da Ford América do Sul sabe o motivo

A melhor mesa de restaurante do Rio de Janeiro fica no Copacabana Palace

Mais na Exame