Um Omega Speedmaster Moonwatch por 260 dólares. Mas é da Swatch

A coleção que já causou no mundo da relojoaria é formada por 11 modelos e estará à venda em lojas selecionadas de 23 países
 (Omega / Swatch/Divulgação)
(Omega / Swatch/Divulgação)
I
Ivan Padilla

Publicado em 24/03/2022 às 11:43.

Última atualização em 24/03/2022 às 17:52.

Já é a notícia do ano no mundo da relojoaria. Ontem à noite a Swatch e a Omega anunciaram uma coleção lançada em conjunto. Trata-se do clássico modelo Speedmaster Moonwatch, que esteve nas expedições à Lua, mas feito pela marca sinônimo de relógios acessíveis, a Swatch. O nome da linha é simplesmente perfeito: Moonswatch.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

A coleção é formada por 11 modelos diferentes e divertidos. Todos têm o nome de uma missão a um planeta. Há o Missão a Marte, Saturno, Mercúrio, e assim por diante. O Missão à Lua é bem parecido ao icônico Speedmaster. Os demais abusam da criatividade, com cores como rosa, no Missão a Vênus, e verde, no Missão à Terra.

Missão a Vênus Omega Swatch

Missão a Vênus: colorido e vibrante (Omega / Swatch/Divulgação)

Ao contrário da maioria dos modelos de plástico da Swatch, o Moonswatch é feito de BioCeramic, um material da marca que utiliza em sua composição dois terços de cerâmica e um terço de plástico vegetal feito de sementes. A famosa escala taquimétrica com ponto acima de 90 está lá, assim como os dois submostradores Speedmaster, que funcionam perfeitamente. Mas o movimento, claro, é de quartzo, e não mecânico.

Colaborações na moda

A Omega é do mesmo grupo da Swatch. Teasers da nova coleção foram divulgados nos dias anteriores ao lançamento no New York Times, com anúncios avisando que um novo Swatch e um novo Omega estavam a caminho. A ótima notícia para quem quer andar com um Moonwatch no pulso é o preço: 260 dólares.

O original da Omega custa cerca de US$ 6 mil, ou seja, mais de 20 vezes mais. A má notícia para muitos clientes potenciais é que a coleção está sendo vendida apenas em lojas selecionadas de 23 países. O Brasil nem loja oficial da Swatch tem.

A coleção da Omega e da Swatch segue a lógica das collabs no mundo da moda. A H&M já fez parcerias com Karl Lagerfeld, Lanvin e Rei Kawakubo, entre tantas outras. No Brasil, a Riachuelo lançou com a Moschino e Versace, além de marcas e estilistas brasileiros como Osklen e Pedro Lourenço. Há dezenas de outros exemplos.

Essas collabs costumam ser de edição limitada, causando frisson entre os fashionistas. Para as redes de fast fashion, as colaborações representam venda garantida. Para as grifes, é uma forma de atingir um novo público, sem perder certa aura de exclusividade.

No timing certo

Não se tem notícia ainda de que o Moonswatch seja uma edição limitada. Soaria pouco estratégico, já que são marcas de um mesmo grupo. O Speedmaster acessível deve agradar tanto a colecionadores que já possuem o modelo original como a aficionados que ainda não têm poder aquisitivo para adquirir o seu.

Missão ao Sol

Missão ao Sol: amarelo dourado (Omega / Swatch/Divulgação)

O lançamento dessa coleção representa uma bela jogada de marketing, principalmente pelo timing. Na terça-feira que vem vai começar o Watches & Wonders, salão de alta relojoaria em Genebra que vai reunir manufaturas dos grupos Richemont e LVMH, além de marcas independentes como Rolex e Patek Philippe.

O grupo Swatch não vai participar do Watches & Wonders, mas deu um jeito de chamar a atenção do mercado às vésperas do grande encontro anual do segmento. Não é difícil imaginar que o Moonswatch será visto nos pulsos de alguns convidados do salão. É esperar para ver.