Casual

Toda a tradição contemporânea da Cartier no Watches & Wonders

Marca icônica e centenária do grupo Richemont apresenta novas versões de modelos clássicos como Tank e Santos-Dumont

 (Cartier/Divulgação)

(Cartier/Divulgação)

Ivan Padilla
Ivan Padilla

Editor de Casual e Especiais

Publicado em 29 de março de 2023 às 06h30.

O maior evento de relojoaria do mundo está acontecendo nesta semana. O Watches & Wonders de 2023, que começou no sábado 27 e vai até 2 de abril, recebe no total 48 marcas de luxo. Um passeio pelos corredores do Palexpo, o centro de convenções de Genebra, na Suíça, onde acontece o evento, mostra a importância da Cartier nesse mercado.

A grife de origem francesa e que hoje pertence ao grupo Richemont tem o maior estande do evento, comparado somente ao da Rolex. A imponência do estande é um termômetro da relevância da Cartier para o conglomerado e para o setor. Como em todos os anos, os olhos do segmento estão voltados para os lançamentos da marca.

Nesta edição estão sendo apresentados relógios cheios de personalidade, que a maison revisita e transforma pelo prisma da criatividade. O Tank, ideia original de Louis Cartier, ganha nova vida com o novo Tank Normale, que faz referência à criação de 1917, e o elegante Tank Américaine.

O Clash [Un]limited busca elevar a herança estética da coleção Clash. As novas interpretações de Pasha, Baignoire, Panthère e Santos de Cartier completam a lista de novidades. Saiba a seguir mais sobre cada um deles.

Tank Normale

O Tank Normale carrega a tradição da coleção mais notável de Cartier e do mundo da relojoaria. Por isso, o lançamento é apresentado em um número limitado de 50 peças numeradas. Elas fazem parte da Cartier Privé Collection, na qual colecionadores podem celebrar e explorar o legado da maison.

Para este ano, Cartier criou uma versão que empresta os códigos do Tank original. Disponível em ouro amarelo com pulseira de crocodile marrom e verde com cabochão de safira azul na coroa. Também chega em platina com pulseira de crocodilo burgundy e cinza com cabochão de rubi. Uma versão ainda mais luxuosa traz diamantes na caixa e na coroa e pulseiras de crocodilo em dois tons de azul em apenas 20 peças numeradas. Tamanho grande, caixa de 33 milímetros, mecanismo manual. Preços no Brasil entre 88.000 e 90.000 reais.

Tank Américaine

A nova versão do Tank Américaine celebra a forma curva do design original, com mais delicadeza. A pureza de seus traços é reforçada pelo estilo do mostrador e da perfeita integração entre o eixo e a extensão da pulseira.

Equipado com o movimento 1899 MC a quartzo, especial para caixas mais finas, o Tank Américaine é apresentado em modelos em ouro e aço com pulseiras de couro, ouro rosa com diamantes e pulseira também em couro e ouro branco e rosa com pulseira de metal. Tamanho 28 milímetros. Preços de 22.9000 (com caixa de aço) a 214.000 reais (na versão de ouro rosé com diamantes).

Baignoire

Em 2023, o Baignoire renasce com a preciosidade de um relógio que é, também, uma jóia. Com proporções realinhadas, o mostrador e numerais romanos são coroados com ricas caixas arredondadas disponíveis em ouro amarelo, rosa e diamantes. O novo modelo exalta a personalidade sensual da peça, que celebra o brilho iluminado de seu original.

Pureza em suas linhas, precisão nas formas e detalhes preciosos fazem do Baignoire uma peça essencial da Cartier e que consegue ser combinada com diferentes criações da maison. Preços de 79.500 reais a 177.000 reais.

Baignoire da Cartier

Baignoire da Cartier: caixa arredondada entre joia e relógio (Cartier)

 Clash [Un]limited

Criado com um elegante mecanismo, o Clash [Un]limited procura combinar finesse e poder. Os códigos do original Clash de Cartier fluem e se entrelaçam neste precioso relógio. A geometria dos cantos facetados e elementos quadrados criam volume com espaços vazios e cheios, que fazem alusão ao legado de Jeanne Toussaint e à herança da maison.

O design enriquece a precisão gráfica através do movimento apresentando uma peça única e muito suave na pele. O Clash [Un]limited está disponível em ouro amarelo com diamantes além de ouro rosa e branco. O relógio também une pedras excepcionais como ônix, espinélios pretos, obsidianas, diamantes, tsavoritas e diamantes. Preços a confirmar.

Panthère de Cartier

A pantera icônica da Cartier envolve o último lançamento da maison. De maneira poderosa, a fera fecha sua mandíbula no mostrador de laca preto, cor que celebra suas famosas pintas. Feroz e selvagem, o novo relógio Panthère de Cartier complementa perfeitamente a coleção La Panthère. É uma masterpiece que deve sua elegância à expertise de criações híbridas entre relojoaria e joalheria.

Disponível em ouro amarelo e rosa com detalhes em laca preta e tsavorite como olhos ou em ouro branco com diamantes e esmeralda no olhar. Criado com um engenhoso sistema que torna os links da pulseira invisíveis, articuladas e extremamente flexíveis, o relógio abraça o pulso de quem o veste. Preço no Brasil: 219.000 reais.

Santos-Dumont

No icônico formato do relógio Santos-Dumont, o novo modelo apresenta o 9629 MC calibre skeleton automático, um novo movimento desenvolvido especialmente para a peça. O lançamento carrega a elegância do seu original, de 1904, mantendo vivo seu legado.

Com caixa em ouro ou aço, com as engrenagens à mostra e a coroa com cabochão azul, o novo Santos-Dumont presta tributo ao aviador em todos os seus detalhes. Inventivo, seu movimento esqueletizado possui um mini peso oscilante e funcional que é uma réplica do Demoiselle, primeiro avião criado pelo piloto. Preços no Brasil de 88.000 a 160.000 reais.

  • o jornalista viajou a convite da organização do Watches & Wonders

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Acompanhe tudo sobre:CartierWatches & WondersRelógiosRichemont

Mais de Casual

Dia dos Namorados: 26 restaurantes para comemorar a data em São Paulo

Maratona do Rio: recordes de inscritos e patrocinadores

Por que os iates feitos no Brasil são adorados no exterior? Dois modelos explicam o sucesso

Carros híbridos da BYD prometem rodar até 2 mil kms sem paradas

Mais na Exame