Casual

Por que as comédias românticas podem estragar a sua vida

Uma pesquisa norte-americana revelou que mulheres que assistem a comédias românticas estão mais abertas a tolerarem assédios de parceiros

Quem Vai Ficar Com Mary: o filme mostra de maneira satírica a perseguição de dois homens por uma mulher (Facebook/Theres is something about Mary)

Quem Vai Ficar Com Mary: o filme mostra de maneira satírica a perseguição de dois homens por uma mulher (Facebook/Theres is something about Mary)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de fevereiro de 2016 às 13h02.

São Paulo – Um estudo norte-americano sugere que assistir a comédias românticas torna as mulheres mais propensas a tolerar assédios na vida real. A descoberta foi publicada na revista Communication Research.

A pesquisa teve a participação de 426 mulheres, divididas em três grupos. O primeiro precisou assistir a filmes que retratavam um homem perseguindo uma mulher de forma persistente como algo a temer.

Já o segundo grupo assistiu a longas-metragens que mostravam essa situação de maneira romântica. O exemplo utilizado pelos pesquisadores foi a comédia-romântica Quem Vai Ficar Com Mary, em que os personagens de Matt Dillon e Ben Stiller fazem de tudo para ficar com a personagem de Cameron Diaz.

O terceiro grupo assistiu a um vídeo com tema aleatório, como a Marcha dos Pinguins.

Ao fim das sessões, os cientistas notaram que as mulheres do primeiro grupo apresentaram uma noção mais negativa sobre a perseguição em comparação com as que assistiram a um filme aleatório.

Contudo, as participantes do segundo grupo afirmaram que as histórias dos vídeos mostrados poderiam ser reais. Além disso, elas se mostraram mais abertas à ideia de que tudo é possível quando se está apaixonado.

Para Julia Lippman, pesquisadora da Universidade de Michigan, a explicação para esse resultado está na maneira como mulheres e homens são educados pela mídia.

“Os homens são ensinados a serem persistentes e as mulheres são ensinadas a sentirem-se lisonjeadas por isso”, diz Lippman ao site Huffington Post. “E em nove das dez vezes isso não é um problema, isso não é abuso.”

A pesquisa ainda aponta que é muito mais difícil julgar se esse tipo de comportamento é abusivo quando ele é mostrado pela mídia como algo normal. “A polícia vai perguntar ‘porque você não disse não desde o início?’”, diz a pesquisadora.

"Por que não é como os relacionamentos funcionam. É fácil de dizer, em retrospectiva, que era um alerta. Mas, na hora, parece que é uma história bonita de como eu conheci a sua mãe”, finaliza a pesquisadora.

A realidade nua e crua

A pesquisa retrata uma realidade que deixam as autoridades dos EUA preocupadas. Afinal, 76% dos homicídios de mulheres no país começaram com a perseguição do parceiro, de acordo com o National Center for Victims of Crime. Aliás, aproximadamente 40% de todos os feminicídios no mundo são cometidos por um parceiro íntimo, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Em contraste, essa proporção é próxima a 6% entre os homens assassinados – ou seja, a proporção de mulheres assassinadas por parceiro é 6,6 vezes maior do que a proporção de homens assassinados por parceiras.

No Brasil, estima-se que ocorreram mais de 50 mil feminicídios entre os períodos de 2001 a 2011, de acordo com o IPEA.

Acompanhe tudo sobre:ArteCinemaComédias românticasEntretenimentoFilmesMulheres

Mais de Casual

Teor alcoólico de 53%: a bebida mais valiosa do mundo que você talvez não conheça

Aeterna: a coleção de joias que celebra os 140 anos da Bvlgari

Complexo turístico em Minas Gerais terá bar flutuante especializado em vinhos

Evento gratuito de queijos e charcutaria acontecerá no Mercado de Pinheiros

Mais na Exame