Acompanhe:

Desista! Não existe dieta que seja boa para todo mundo

Pelo menos não em ratos. Mas está ficando cada vez mais claro que a mesma coisa é verdade em humanos

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Dieta: pesquisa com ratos mostra que diferentes perfis genéticos saem-se melhor ou pior com diferentes alimentos
 (ThinkStock)

Dieta: pesquisa com ratos mostra que diferentes perfis genéticos saem-se melhor ou pior com diferentes alimentos (ThinkStock)

D
Denis Russo Burgierman

Publicado em 21 de julho de 2016 às, 18h22.

Antes era a tal pirâmide alimentar, que mandava você encher a pança de pães e massas e fugir como o diabo da cruz de qualquer gota de gordura saturada.

Depois vieram dizer que não, que era o contrário: carboidrato é que é veneno e engorda, proteína é a receita paleolítica da saúde sarada.

Soja, ovo, pão, vinho, carne, manteiga, café - a cada dia mudam os heróis e os vilões da alimentação saudável, enquanto cientistas, governos e a mídia inteira seguem na busca centenária da dieta perfeita.

Pois, no que depender do geneticista William Barrington, da Universidade Estadual da Carolina do Norte, podem parar de procurar: essa coisa não existe.

Barrington e sua equipe conduziram um experimento com ratinhos variados comendo dietas variadas - e sua conclusão foi que nenhuma dieta é boa para todo mundo.

Diferentes perfis genéticos saem-se melhor ou pior com diferentes alimentos. A dieta perfeita de um pode embarangar o outro. E isso não deve valer só para ratinhos.

"Dada a semelhança metabólica e genética entre humanos e camundongos, é altamente provável que o nível de diversidade de resposta a dietas que observamos no nosso estudo se repita em humanos", disse Barrington, numa conferência de genética que aconteceu esta semana em Orlando, na Flórida.

O que os cientistas fizeram foi separar os bichinhos em quatro grupos e dar a cada um deles alimentos inspirados em alguma dieta humana, por seis meses.

Um grupo de camundongos comeu como japoneses, com extrato de chá verde e tudo, enquanto outro ganhou extrato de vinho tinho como parte de sua "dieta mediterrânea".

O terceiro grupo de ratinhos recebeu uma dieta cheia de carne e proteínas, mas quase sem carboidrato algum, segundo os conselhos do nutricionista Robert Atkins, enquanto o último esbaldou-se em junk food, para representar a chamada "dieta ocidental".

Os resultados detalhados ainda não foram publicados, mas, durante a conferência, Barrington contou que ratos diferentes responderam de maneira diferente a cada dieta.

Ratinhos de uma certa linhagem genética ficaram obesos com a dieta ocidental mas permaneceram esbeltos seguindo os conselhos de Atkins.

Outros, no entanto, reagiram ao contrário: engordaram com proteínas e mantiveram o peso com a dieta ocidental. Algumas variedade mais sortudas quase não pareciam sentir os efeitos da dieta: não engordaram com nenhuma das quatro. Mas houve também quem ficasse gordo até mesmo com a dieta mediterrânea, tida como ideal.

"Não existe dieta universalmente saudável", disse Barrington, na conferência. "Há uma generalização excessiva dos benefícios e riscos à saúde ligados a cada dieta."

Quer dizer então que eu posso comer o que eu quiser já que os cientistas não sabem mesmo o que engorda e o que emagrece?

Sorry, não. Quer dizer quase o contrário disso: que é preciso que cada um de nós passe a vida prestando muita atenção no que come, para compreender o que lhe engorda ou emagrece, o que aumenta e o que baixa o colesterol, o que lhe faz bem e mal.

Claro que ajuda ter acompanhamento profissional, de um médico ou nutricionista que o conheça bem. Mas provavelmente o mais fundamental é o trabalho individual de aprender a conhecer o que o seu corpo gosta. Nenhum médico, cientista, apresentador de TV - ou revista - pode fazer isso por você.

Últimas Notícias

Ver mais
No resultado histórico da BRF, efeito cíclico ou mudança estrutural?
Exame IN

No resultado histórico da BRF, efeito cíclico ou mudança estrutural?

Há 2 dias

Por que o setor de alimentos é carro-chefe na criação de empregos na indústria de transformação
Um conteúdo Bússola

Por que o setor de alimentos é carro-chefe na criação de empregos na indústria de transformação

Há uma semana

Faturamento da indústria de alimentos cresceu 7,2% em 2023, para R$ 1,161 trilhão, diz Abia
Economia

Faturamento da indústria de alimentos cresceu 7,2% em 2023, para R$ 1,161 trilhão, diz Abia

Há uma semana

PepsiCo substitui petróleo por biometano em sua maior fábrica; Ultragaz é fornecedora
ESG

PepsiCo substitui petróleo por biometano em sua maior fábrica; Ultragaz é fornecedora

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais