• AALR3 R$ 20,12 -0.10
  • AAPL34 R$ 67,20 -2.34
  • ABCB4 R$ 16,74 -0.12
  • ABEV3 R$ 14,06 -0.14
  • AERI3 R$ 3,67 -5.17
  • AESB3 R$ 10,70 -2.46
  • AGRO3 R$ 30,90 0.00
  • ALPA4 R$ 20,29 -2.26
  • ALSO3 R$ 18,91 -2.88
  • ALUP11 R$ 27,13 -0.15
  • AMAR3 R$ 2,33 -5.67
  • AMBP3 R$ 30,66 -1.64
  • AMER3 R$ 23,30 -3.20
  • AMZO34 R$ 63,93 -2.40
  • ANIM3 R$ 5,32 -4.14
  • ARZZ3 R$ 78,15 -1.71
  • ASAI3 R$ 15,83 -0.25
  • AZUL4 R$ 20,95 -4.60
  • B3SA3 R$ 11,99 -0.91
  • BBAS3 R$ 37,25 -1.88
  • AALR3 R$ 20,12 -0.10
  • AAPL34 R$ 67,20 -2.34
  • ABCB4 R$ 16,74 -0.12
  • ABEV3 R$ 14,06 -0.14
  • AERI3 R$ 3,67 -5.17
  • AESB3 R$ 10,70 -2.46
  • AGRO3 R$ 30,90 0.00
  • ALPA4 R$ 20,29 -2.26
  • ALSO3 R$ 18,91 -2.88
  • ALUP11 R$ 27,13 -0.15
  • AMAR3 R$ 2,33 -5.67
  • AMBP3 R$ 30,66 -1.64
  • AMER3 R$ 23,30 -3.20
  • AMZO34 R$ 63,93 -2.40
  • ANIM3 R$ 5,32 -4.14
  • ARZZ3 R$ 78,15 -1.71
  • ASAI3 R$ 15,83 -0.25
  • AZUL4 R$ 20,95 -4.60
  • B3SA3 R$ 11,99 -0.91
  • BBAS3 R$ 37,25 -1.88
Abra sua conta no BTG

Indústria africana de turismo animal é ameaçada pela Covid-19

Setor que gera US$ 29 bilhões por ano e emprega 3,6 milhões de pessoas, está ameaçado pelo coronavírus, que interrompeu as viagens de lazer
Safári: o turismo ajuda os governos a justificar a proteção do habitat da vida selvagem, mas coronavírus põe setor em risco (Divulgação/Latitudes)
Safári: o turismo ajuda os governos a justificar a proteção do habitat da vida selvagem, mas coronavírus põe setor em risco (Divulgação/Latitudes)
Por Antony Sguazzin, da BloombergPublicado em 06/08/2020 08:48 | Última atualização em 06/08/2020 08:48Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O setor de turismo de vida selvagem da África, que geralmente gera US$ 29 bilhões por ano e emprega 3,6 milhões de pessoas, está ameaçado pelo coronavírus, que interrompeu as viagens de lazer, segundo um relatório publicado na Nature Ecology & Evolution.

Muitos serviços de proteção da vida selvagem vão sofrer as consequências da falta de dinheiro com safaris e caça, de acordo com pesquisas de cientistas de várias universidades, da África do Sul aos EUA. Os países mais atingidos serão os que ostentam os chamados Big Five - elefantes, leões, búfalos, leopardos e rinocerontes - como o Quênia, o Zimbábue e a África do Sul. Outros, como Uganda, onde os gorilas são um drawcard, também sofrerão, de acordo com o estudo.

“O turismo ajuda os governos a justificar a proteção do habitat da vida selvagem”, disseram os cientistas. “Ele cria receita para as autoridades estaduais de vida selvagem, gera ganhos em divisas, diversifica e fortalece as economias locais.”

Cerca de 50%, ou US$ 30 milhões, do orçamento anual do Kenya Wildlife Service vem do turismo, enquanto esse número é de 80% no Zimbábue e a mesma porcentagem, ou US$ 52 milhões, na África do Sul. Metade do orçamento de Uganda é do turismo para ver os gorilas das montanhas.

“A crise exige um esforço internacional conjunto para proteger e apoiar a vida selvagem e as terras selvagens da África, assim como as pessoas que dependem delas”, segundo o relatório.