Casual

Imprensa britânica aponta mais desacordo que conciliação na reação da rainha Elizabeth; concorda?

A monarca se comprometeu a tratar o tema de maneira "privada", ao mesmo tempo que ressaltou que as "recordações podem variar" de acordo com as pessoas

Rainha Elizabeth II ao lado de Harry e Meghan (Anwar Hussein/WireImage/Getty Images)

Rainha Elizabeth II ao lado de Harry e Meghan (Anwar Hussein/WireImage/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 10 de março de 2021 às 09h57.

A imprensa britânica interpretou, nesta quarta-feira (10), a reação da rainha Elizabeth II à explosiva entrevista de seu neto Harry e de Meghan Markle como um gesto conciliador, mas, sobretudo, como uma resposta firme que marca sua discordância das acusações.

Mais de 36 horas depois da exibição da entrevista que o casal concedeu a Oprah Winfrey, a rainha reagiu na terça-feira à noite em um breve comunicado do Palácio de Buckingham.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

"A família inteira está triste ao saber o quanto os últimos anos foram desafiadores para Harry e Meghan", afirmou a soberana, antes de destacar que leva a sério as acusações de racismo feitas pela ex-atriz americana.

A monarca se comprometeu a tratar o tema de maneira "privada", ao mesmo tempo que ressaltou que as "recordações podem variar" de acordo com as pessoas.

A escolha de palavras "sugere que a família não concorda com tudo o que disseram os duques de Sussex", afirma o jornal conservador The Daily Telegraph.

Príncipe Harry e Meghan apresentem seu novo bebê

Príncipe Harry e Meghan com bebê do casal (Dominic Lipinski/Pool/Reuters)

"Embora a declaração, como se esperava, destaque o amor da família por Harry e Meghan, o resultado final foi mais forte do que muitos haviam imaginado", destaca o jornal The Times.

Várias publicações informaram que a soberana, de 94 anos, trabalhou em sua resposta desde segunda-feira e teve tempo para refletir antes de divulgar a mensagem.

Na opinião do jornal Metro, o palácio está estendendo um "ramo de oliveira" ao casal, cujos laços com a família real se enfraqueceram após o exílio.

"A mensagem foi razoável, tranquila, generosa (...) e com espírito de conciliação", disse à BBC Hugo Vickers, autor de várias biografias de membros da família real.

Na entrevista, Meghan, de 39 anos, e seu marido, 36, sexto na ordem de sucessão ao trono britânico, citaram a grande pressão da mídia, o racismo e a falta de apoio da família real para justificar a saída da monarquia.

O duque de Sussex afirmou que se distanciou do pai, o príncipe Charles, e do irmão William, para aguardar que o tempo cure as feridas.

O príncipe Charles, herdeiro do trono, de 72 anos, permanece em silêncio e respondeu apenas com um sorriso nervoso ao ser questionado sobre a entrevista durante uma visita na terça-feira a um centro de vacinação contra a covid-19.

O pai de Harry está "decepcionado" com as palavras de Meghan e seu filho, afirmou uma fonte da família real ao jornal Evening Standard.

"O príncipe está orgulhoso da diversidade deste país e acredita que a diversidade da sociedade britânica moderna é sua maior força", disse a fonte, em uma referência às acusações de racismo.

Acompanhe tudo sobre:Família real britânicaOprah WinfreyRacismoRainha Elizabeth II

Mais de Casual

Os 5 melhores filmes e séries para maratonar no fim de semana

Este resort com águas termais no Paraná foca no turismo de luxo e fatura R$ 134 milhões

Triplex de luxo em Balneário Camboriú tem vista cinematográfica e custa R$ 18 milhões; veja fotos

A estratégia (quase) secreta da Grand Cru para fazer o brasileiro beber mais vinho da Borgonha

Mais na Exame