Casual

Exposição Ars Sonora – Hermeto Pascoal chega ao Sesc Bom Retiro, em São Paulo

Reunindo desenhos, objetos e instalações, a mostra apresenta produção visual do artista, celebrando sua trajetória e seu legado cultural

Hermeto Pascoal: o público pode conhecer sua criação no território das artes visuais. (Gabriel Quintão/Divulgação)

Hermeto Pascoal: o público pode conhecer sua criação no território das artes visuais. (Gabriel Quintão/Divulgação)

Carolina Gehlen
Carolina Gehlen

Head of Design

Publicado em 26 de maio de 2024 às 08h57.

Hermeto foi na cozinha pra pegar o instrumental
Do facão à colherinha tudo é coisa musical
Trouxe concha e escumadeira, ralador, colher de pau
Barril, terrina e peneira, tudo é coisa musical

O início da música Chá de Panela, composta por Aldir Blanc e Guinga, dá o tom da personalidade do alagoano Hermeto Pascoal. Prestes a completar 88 anos, o músico, multi-instrumentista, compositor e arranjador brasileiro ganha uma exposição que reúne desenhos, objetos e instalações do artista sob a ótica do curador Adolfo Montejo Navas, que aplica, assim, outra perspectiva do trabalho de Pascoal.

A mostra Ars Sonora – Hermeto Pascoal apresenta ao público uma faceta menos conhecida de Hermeto – sua produção como artista visual. Em 2019, uma primeira montagem da exposição integrou a 14ª Bienal de Curitiba e, agora, chega a São Paulo ampliada.

Músico autodidata em atividade desde a década de 1940, gravou o seu primeiro disco, Hermeto, nos Estados Unidos, em 1971. Um ano antes emplacou duas composições suas no icônico Live-Evil, gravado ao vivo com Miles Davis. Em 1979 se apresentou no Festival de Jazz de Montreux, na Suíça.

Em sua longeva trajetória recebeu o Grammy Latino em 2019, na categoria Melhor Álbum de Música de Raízes em Língua Portuguesa. E em maio do ano passado foi nomeado doutor honorário da Juilliard School, de Nova York (EUA) – o título foi entregue pelo trompetista Wynton Marsalis.  

Hermetologia

Agora o público pode conhecer sua criação no território das artes visuais. Pioneira, a mostra abrange diferentes linguagens, como desenhos, pinturas, objetos e protoinstrumentos musicais. A produção ultrapassa fronteiras disciplinares e, de modo ampliado, estabelece relações com a performance e as artes visuais.  

A proposta da exposição é reconhecer sua produção para além dos já difundidos conceitos de Música Livre e Música Universal. Neles, o artista afirma a quebra das barreiras culturais, ultrapassando linguagens e suportes estabelecidos pela tradição. Nesse sentido, a mostra reúne objetos feitos dos mais diferentes materiais, deslocados do seu uso cotidiano e reconfigurados em seu sentido visual.

Panos de prato, chaleiras, caixas de presente, sacolas, brinquedos, roupas e toalhas de mesa servem à ampliação musical transpostas para a apreciação visual, dando forma a um vasto arquivo sensorial e sonoro.     

Reunindo desenhos, objetos e instalações, a mostra apresenta produção visual de Hermeto Pascoal, celebrando sua trajetória e seu legado cultural. (Everton Ballardin/Divulgação)

Articulando sons e ruídos partindo da musicalidade coletada de animais e de objetos do dia a dia, o artista transforma usos e funções, construindo assim o seu alfabeto sonoro e visual próprio até chegar no glossário da sua linguagem, a “Hermetologia”.   

 “A obra ímpar e caleidoscópica de Hermeto Pascoal deve ser reconhecida de forma mais ampla, muito além das coordenadas estritamente musicais nas quais é mal confinada a maioria das vezes, afirma o curador. “A compreensão da obra de Hermeto Pascoal também como música visual se baseia na consideração porosa de sua obra, uma arte sonora que ultrapassa seus eixos musicais para desenvolver uma potência sinergética de escritura musical e visual ao mesmo tempo, de visualidade sonora e gestual, que contamina todo tipo de instrumentos-objetos-suportes como novos espaços-registros de representação sonora (experimentações diversas com a natureza, a animália, a voz das pessoas, as performances corporais, os desenhos, os objetos-partituras, os álbuns sonoros, visuais, as trilhas imagéticas…). Tudo isso corresponde com uma terminologia afim à poesia visual, à pangrafia, e ao mesmo tempo ao happening, à performance, a outro olhar-ver-fazer que é simultâneo às percepções, à interação som/imagem, gesto/pensamento, completa Navas.

SERVIÇO 

Ars Sonora – Hermeto Pascoal  
Curadoria: Adolfo Montejo Navas 
Local: Sesc Bom Retiro – Espaço expositivo/2º andar – Alameda Nothmann, 185 - Campos Elíseos, São Paulo - SP  
 
Abertura: 28/5, às 19h. Praça de Convivência 
Visitação: de 29/5 a 3/11/2024 
Terça a sexta, das 9h às 20h  
Sábado, das 10h às 20h 
Domingo e feriado, das 10h às 18h 
Gratuito 

Acompanhe tudo sobre:ExposiçõesArteMúsica

Mais de Casual

A estratégia (quase) secreta da Grand Cru para fazer o brasileiro beber mais vinho da Borgonha

Conheça o azeite brasileiro eleito o Melhor do Hemisfério Sul em concurso na Itália

Os Sete Lendários: a mais nova (e disputada) safra da Miolo

Dia do Martini: mixologista Alê D’Agostino dá dicas infalíveis para o coquetel perfeito

Mais na Exame