Casual

Dona da Fiat e Jeep, Stellantis vai investir R$ 14 bi em fábrica de MG com foco em motores híbridos

O valor faz parte de um plano de R$ 30 bilhões que a montadora vai investir no Brasil até 2030

Gilson Garrett Jr.
Gilson Garrett Jr.

Repórter de Casual

Publicado em 20 de maio de 2024 às 16h00.

Tudo sobreCarros
Saiba mais

BETIM, MINAS GERAIS - A gigante da indústria automobilística Stellantis (dona de marcas como Fiat, Peugeot, Ram, Citroën e Jeep) anunciou, nesta segunda-feira, 20, um investimento de R$ 14 bilhões na planta de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

O valor faz parte de um plano de R$ 30 bilhões que a montadora vai investir no Brasil até 2030. A marca tem plantas também em Pernambuco e no Rio de Janeiro. É o maior investimento já feito pela montadora no país e será focado em modernização da fábrica para gerar mais eficiência produtiva, reduzindo custos. Atualmente, sete modelos de carros são produzidos em Minas Gerais, sendo a maior fábrica do Brasil em volume de produção.

Segundo Emanuele Cappellano, presidente da Stellantis da América do Sul, esse dinheiro se soma a R$ 454 milhões que estão sendo gastos na ampliação da fábrica de motores, com foco em mais potência, além de modelos híbridos. Atualmente, a capacidade é de produzir anualmente 200 mil motores e esse número vai passar de 1,1 milhão. Os primeiros carros híbridos deverão chegar ao mercado nacional no segundo semestre deste ano. Segundo fontes ouvidas por Casual EXAME, a Jeep Renegade será a primeira com motor híbrido plug-in flex.

“Estamos em uma fase de transição tecnológica. A tendência é que todas as marcas aos poucos tenham um híbrido. Não vai ser uma virada de chave automática. Vamos acompanhando a peculiaridade de todas as marcas e as demandas dos clientes. O começo será por onde vemos a melhor oportunidade”, disse Cappellano, em entrevista coletiva ao lado do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

Ainda de acordo com o executivo, o desenvolvimento de novos motores híbridos envolve tecnologia flex. A montadora já tem desenvolvido um motor híbrido apenas etanol, mas ele acredita que ainda não há demanda para este tipo de motor, mas que a Stellantis está preparada para apresentar um carro neste formato, caso haja uma necessidade do mercado.

Baterias e nova tecnologia

Sobre baterias, a Stellantis vai importar e não tem planos de produção em território nacional. Segundo Cappellano, a produção local é uma questão muito complexa e que neste momento não há uma demanda que justifique um alto investimento, na casa dos bilhões de dólares, segundo o executivo.

As novas tecnologias Bio-Hybrid, que incluem o motor híbrido plug-in flex, foram desenvolvidas pelo Tech Center Stellantis na América do Sul, em associação com fornecedores, pesquisadores e outros parceiros que constituem o ecossistema de inovação impulsionado pela empresa.

De acordo com a montadora, trata-se de uma oportunidade para o fortalecimento da engenharia brasileira e da indústria nacional. Com aplicação flexível, as tecnologias podem ser utilizadas em diferentes modelos produzidos pela Stellantis em todos os polos automotivos da região.

Acompanhe tudo sobre:CarrosStellantisCarros híbridos

Mais de Casual

Dia dos Namorados: Bvlgari promove evento romântico com show de Tiago Iorc

Fotografia histórica de primeira-dama dos EUA pode valer US$ 70 mil

Exposição do Museu do Ipiranga mostra evolução do mobiliário do Brasil

Entenda a importância da água no preparo do café

Mais na Exame