Conheça a Cidade Matarazzo, a cara do ultraluxo paulistano

Complexo tem hotel com diárias até R$ 7,5 mil, restaurante e bar com horas de espera, além de capela com concorridas missas
 (Divulgação/Cidade Matarazzo)
(Divulgação/Cidade Matarazzo)
Por Agência O GloboPublicado em 13/03/2022 08:46 | Última atualização em 13/03/2022 19:35Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Um olhar desatento pela rua Itapeva, com seus predinhos comerciais a uma quadra da Avenida Paulista, pode fazer com que não seja visto o novo representante do ultraluxo paulistano. Uma observação mais atenta, contudo, permite identificar — por trás de um portal de arcos — o grandioso mural do artista visual Speto, ladeado de seguranças. É por ali que se chega à entrada do hotel seis estrelas Rosewood São Paulo, pontapé inicial da Cidade Matarazzo, complexo de pegada sustentável idealizado pelo francês Alexandre Allard.

Descubra qual MBA melhor se encaixa ao seu perfil e comece agora.

O que está em funcionamento agora na Matarazzo serve como uma espécie de comissão de frente. É a alegoria responsável por abrir o desfile, inaugura o que será visto adiante. Além do hotel, com cerca de 40 quartos abertos, há dois bares e três restaurantes — um deles exclusivo aos hóspedes — além de uma capela construída há um século.

A abertura parcial já é suficiente, pelas contas dos empreendedores, para atrair uma média de 500 pessoas por dia. No futuro, espera-se que o complexo todo conte com 34 restaurantes, 300 lojas de moda, teatro e sala de shows, além da operação de mais uma torre de apartamentos residenciais e hotelaria.

O interesse que o complexo gerou tem garantido grandes filas de espera. Responsável por todos os menus do circuito gastronômico aberto até agora, o chef Felipe Rodrigues —ex-Palácio Tangará — joga na falta de costume do brasileiro de fazer reservas a razão para o acúmulo de gente tentando acessar os salões de última hora.

— As pessoas estão aprendendo a fazer reserva — brinca Rodrigues.

O local com maior apelo entre os visitantes é o bar Rabo di Galo — que não aceita reservas, é importante destacar. Para acessar uma das pouco mais de 30 mesas, as filas ultrapassam às 2h30 de espera, o que faz alguns baterem em retirada pisando firme, diante da frustração. Os mais pacientes, munidos de suas bolsas Moschino, Chanel e Dior, esperam nas poltronas presentes no hall ou na biblioteca do Rosewood.

A clientela vista no lobby e nos restaurantes é formada, sobretudo, por famílias e casais que já se conhecem. Não há hordas de solteiros, nem de pessoas com 20 e poucos anos. O que impera ali —apesar dos celulares estarem sempre em mãos, mirados em obras de arte, tapetes, paredes e toda sorte de enfeites —é a discrição.

Bolovo a R$ 135

Uma das estrelas do cardápio do Rabo di Galo é o bolovo — ou “bolove”, como foi batizado — que leva um toque de caviar. O preço acompanha a inventividade: R$ 135, a unidade. O chef explica que o valor reflete o custo das ovas — que, segundo ele, chegam a R$ 10 mil, o quilo.

— É uma combinação clássica e eterna: ovo e caviar. Realmente a receita combina — afirma.

Tem outro bolovo, com maionese de trufas, a 52 reais, mas isso ninguém fala.

O “bolove” não está só. No restaurante Blaise, brilha um frango de padaria assado na clássica “televisão de cachorro” das padarias brasileiras. O chef defende que o prato tem preparo sofisticado — ao longo de 48 horas — e chega à mesa ao lado de cogumelos, salada ou batatas fritas, além de guarnições. O custo do prato, para até quatro pessoas, é de R$ 275.

É evidente que clientes que estão dispostos a abrir a carteira em busca do ultraluxo têm seus caprichos. Causa revolta por ali, por exemplo, a falta de água mineral estrangeira — que, segundo o hotel, seria pouco sustentável para importar e, portanto, vetada do cardápio. Outra falta sentida pelos visitantes é a colherinha de madrepérola que normalmente acompanha as latas de caviar. Por ali, usa-se de chifre de boi. Com procedência mais fácil de rastrear.

O local, porém, não dá de ombros aos seus adeptos. Eles se dizem, na realidade, interessados em oferecer luxo atrelado a uma experiência. Trata-se de uma ideia repetida à exaustão. Exemplo disso, explica o gerente geral do hotel, Edouard Grosmangin, são as suítes Matarazzo. Mais importantes do complexo, a diária sai por cerca de R$ 7,5 mil — pouco mais de seis salários mínimos. O pacote de mimos aos hospedados inclui pijamas da Trousseau, calçados exclusivos da marca Melissa, hidratantes labiais, aparelhos de barbear, cafés expressos e sabonetes. Tudo pronto para ser usado e levado para casa, em embalagens individuais.

— A experiência do luxo hoje em dia tem necessariamente que englobar a arte, a cultura. Aqui faz toda a diferença o hotel estar instalado em um prédio histórico, que abrigou uma maternidade em que mais de 500 mil pessoas nasceram — diz Edouard.

Um Matarazzo entre nós

Um dos bebês que chegou ao mundo naquele endereço hoje é padre da capela que funciona no local. Trata-se de Maurício Matarazzo, tataraneto da Condessa Filomena, cujo nome batizou a maternidade. O religioso, de postura discreta, comanda uma única — e concorrida — missa aos domingos de manhã. Também atende confissões no mesmo dia. Ao GLOBO, o padre se disse feliz em retomar ao local em que seus antepassados “ajudaram nossa cidade”.

Nos próximos meses, o Rosewood abrirá novos quartos. Ao todo serão 161 suítes. A Cidade Matarazzo só será conhecida em sua totalidade entre o fim de 2023 e o início de 2024. Aos que torcem o nariz para o alto custo praticado no complexo, Alexandre Allard tem uma resposta na ponta da língua.

— Com esse luxo nós criamos uma cadeia de valor enorme para o país. É luxo, mas tem que responder às novas aspirações da sociedade — afirma o empreendedor, que considera o endereço uma “fonte de autoestima” para o Brasil.

Na nova toada de inaugurações, está prevista a abertura da suíte que será a mais elaborada do complexo. É estimado que o custo da diária fique por volta de R$ 10,5 mil. Allard não esconde que quer receber visitantes de alto quilate na acomodação.