Casual

Até 2030, de cada três carros chineses, um será elétrico, prevê agência

Os dados indicam que as vendas globais de veículos elétricos aumentarão em mais de um quinto este ano, atingindo 17 milhões de unidades, impulsionadas principalmente pelos motoristas chineses

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 2 de maio de 2024 às 16h52.

Última atualização em 2 de maio de 2024 às 17h29.

Tudo sobreChina
Saiba mais

A Agência Internacional de Energia (IEA) divulgou o relatório anual “Perspectivas Globais para Veículos Elétricos”, prevendo que a “demanda explosiva” por veículos elétricos nos próximos dez anos irá “reformular a indústria automobilística global e reduzir significativamente o consumo de petróleo no transporte rodoviário”. Os dados indicam que as vendas globais de veículos elétricos aumentarão em mais de um quinto neste ano, atingindo 17 milhões de unidades, impulsionadas principalmente pelos motoristas chineses.

O relatório afirma que, apesar de alguns mercados enfrentarem desafios recentes, com base nas políticas atuais, até 2030, a participação de veículos elétricos nos Estados Unidos e na União Europeia atingirá quase um quinto, enquanto quase um terço dos carros em circulação na China serão veículos elétricos. Até 2035, metade dos veículos vendidos globalmente serão veículos elétricos. A IEA define veículos elétricos como veículos totalmente elétricos e híbridos plug-in.

O diretor-executivo da IEA, Fatih Birol, não hesitou em afirmar que a China é merecidamente a líder global na fabricação de veículos elétricos.

A rede de notícias CNN informou que, com base nas políticas governamentais atuais, a IEA está otimista em relação às perspectivas de longo prazo para veículos elétricos. Apenas alguns dias atrás, a maior fabricante de veículos elétricos do mundo, a Tesla, reduziu significativamente os preços em seus principais mercados para lidar com a queda nas vendas e a crescente concorrência dos novos e tradicionais fabricantes de automóveis da China.

Birol afirmou que as notícias negativas recentes sobre a desaceleração da adoção de veículos elétricos não estão alinhadas com a tendência global positiva. “Esses dados não mostram nenhum sinal de desaceleração no crescimento dos veículos elétricos, o que indica um forte crescimento nas vendas globais de veículos elétricos.” Ele também afirmou em um comunicado: “A revolução global dos veículos elétricos parece estar se preparando para uma nova fase de crescimento, em vez de enfraquecer gradualmente”, disse.

Estima-se que em 2024, as vendas de veículos elétricos na China chegarão a cerca de 10 milhões de unidades, representando quase 60% das vendas globais de veículos elétricos e cerca de 45% das vendas totais de veículos na China. Nos Estados Unidos, espera-se que cerca de um em cada nove carros vendidos seja elétrico. Na Europa, apesar das perspectivas gerais de vendas de automóveis de passageiros estarem fracas e de alguns países estarem gradualmente eliminando subsídios, os veículos elétricos ainda representarão cerca de um quarto das vendas de automóveis vendidos.

Esse crescimento se baseia no recorde de 2023. No ano passado, as vendas globais de veículos elétricos aumentaram 35%, atingindo quase 14 milhões de unidades. Embora a demanda ainda esteja concentrada principalmente na China, Europa e Estados Unidos, o crescimento em alguns mercados emergentes como Vietnã e Tailândia também está acelerando, representando 15% e 10% das vendas totais de veículos elétricos, respectivamente.

Chineses representam mais da metade das vendas globais

Especialmente no ano passado, os fabricantes de automóveis chineses representaram mais da metade das vendas globais de veículos elétricos, enquanto sua participação no mercado de automóveis tradicionais era de apenas 10%. Birol destacou: “A China é, na verdade, a líder global na fabricação de veículos elétricos.”

De acordo com os dados da IEA, até 2030, quase um em cada três carros em circulação nas vias e estradas da China será elétrico, em comparação com menos de 10% no ano passado. Em contraste, as previsões para os Estados Unidos e a União Europeia em 2030 são de 17% e 18%, respectivamente, um aumento de 2% e 4% em relação ao ano passado.

“Essa mudança terá um impacto significativo na indústria automobilística e na indústria de energia”, disse Birol. A IEA prevê que, impulsionada pela eletrificação no setor de transporte, a demanda global por petróleo atingirá o pico em 2030.

Fonte: guancha.cn

Acompanhe tudo sobre:ChinaCarros elétricos

Mais de Casual

Antonio Forjaz, da Sportingbet, mostra a rotina multiesportiva de um executivo

O Brasil é apaixonado por picapes, e o CEO da Ford América do Sul sabe o motivo

A melhor mesa de restaurante do Rio de Janeiro fica no Copacabana Palace

Por que Santa Catarina concentra metade da produção de barcos de lazer do país?

Mais na Exame