Carreira

Chefes confiam menos na eficácia do trabalho híbrido, diz pesquisa

Pesquisa realizada pela empresa de tecnologia Unisys, em parceria com a consultoria HFS Research, ainda apontou que líderes e liderados discordam quando o assunto são os motivos que levam à falta de engajamento

Home-office: maioria dos funcionários que atuam no modelo híbrido se dizem engajados (J_art/Getty Images)

Home-office: maioria dos funcionários que atuam no modelo híbrido se dizem engajados (J_art/Getty Images)

Luciana Lima
Luciana Lima

Repórter de Carreira

Publicado em 7 de março de 2023 às 12h03.

Última atualização em 7 de março de 2023 às 12h27.

Em meio ao cabo de guerra entre empresas que querem a volta do trabalho presencial e funcionários que não estão dispostos a abrir mão do home-office, o modelo do trabalho híbrido vem se consolidando como alternativa conciliadora no mundo corporativo pós-pandemia.

Segundo o relatório From Surviving to Thriving in Hybrid Work (Da sobrevivência à prosperidade no trabalho híbrido, em tradução livre), realizado pela empresa de tecnologia Unisys em parceria com a consultoria HFS Research, 70% das empresas indicam que o modelo híbrido persistirá como principal formato dentro das organizações nos próximos anos.

Mas, o estudo também mostrou que líderes e liderados discordam sobre a eficácia do híbrido. Enquanto 49% dos funcionários afirmam que consideram o modelo bastante eficaz, somente 33% das empresas dizem o mesmo.

A maioria dos empregadores (53%), acredita que o modelo que combina trabalho presencial com home-office é apenas um pouco eficiente. Outros 12% dizem que o híbrido é um tanto ineficiente. Entre os funcionários, esse índice é de 38% e 8%, respectivamente. 

O estudo, que ouviu cerca de 2.000 pessoas nos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Austrália, também apontou que 67% dos funcionários que atuam em um modelo híbrido citam a flexibilidade para equilibrar trabalho e vida pessoal como um dos principais fatores que motivam e influenciam o seu desempenho no trabalho.

Outra descoberta foi uma conexão entre o modelo híbrido e o aumento ou a manutenção do engajamento: segundo a pesquisa, a maioria dos funcionários (89%) que atuam em um modelo de trabalho híbrido relatam estar mais ou igualmente engajados em comparação com seis meses atrás.

Líderes subestimam a falta de interação como fator para desengajamento

A falta de engajamento foi um dos temas mais discutidos no ano passado, com tendências como a Grande Demissão e o Quiet Quitting mostrando que os funcionários estavam pouco motivados com as suas organizações.

Porém, o estudo da Unisys apontou que os líderes subestimam a falta de interação entre funcionários e gestores quando o assunto são os motivos que levam à falta de engajamento.

Enquanto os funcionários citam a falta de interação com a liderança como principal fator para se sentir menos engajados no trabalho (33%), as empresas acreditam que é a facilidade de encontrar novos empregos a causa primordial que gera o desengajamento (28%).

Além disso, visão dos profissionais os principais motivos para se sentirem desmotivados são:

  • Dar mais importância para outras áreas da vida (29%);
  • A falta de separação entre trabalho e vida pessoal no home-office leva ao burnout (18%);
  • A falta de interação com colegas (9%);
  • Facilidade de achar outros empregos (3%).

Já na visão dos líderes as principais causas que levam ao desengajamento são:

  • Os funcionários dão mais importância para outras áreas da vida (22%);
  • A falta de separação entre trabalho e vida pessoal no home-office leva ao burnout (19%);
  • A falta de interação com colegas (13%);
  • A falta de interação com líderes (6%).

Funcionários chegam a perder até 10 horas com problemas relacionados à tecnologia

O estudo também apontou que problemas relacionados à tecnologia impactam diretamente a produtividade dos profissionais, que precisam dispensar várias horas por semana lidando com essas questões.

Segundo o estudo, quase metade (49%) dos funcionários estima perder entre uma e cinco horas semanais de produtividade da força de trabalho lidando com problemas de TI.

Outros 18% dizem perder entre 6 a 10 horas por semana lidando com questões de infraestrutura tecnológica. Existem aqueles (5%) que gastam mais do que 10 horas por semana com bugs e outras falhas na área tech. Apesar disso,  42% das empresas não medem a perda de produtividade devido a problemas técnicos.


Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.

Acompanhe tudo sobre:home-officeGestão de pessoasRecursos humanos (RH)LiderançaEngajamento

Mais de Carreira

"Qual a sua pretensão salarial?": como responder a essa pergunta na entrevista de emprego

Adeus, hora extra? Inteligência artificial pode acabar com o maior pesadelo dos executivos

Programa de estágio de férias em Direito: escritório abre vagas com bolsa-auxílio de R$ 1.700

Concurso da Caixa: Veja o local e dicas finais para a prova que será realizada neste domingo

Mais na Exame