Brasil "empaca" em ranking de domínio da língua inglesa

Ranking de proficiência em inglês, divulgado pela EF, traz o Brasil na mesma posição em que estava na edição anterior: a 38ª, entre 63 países avaliados

São Paulo – Os brasileiros não avançaram no nível de proficiência em inglês, no ano passado. Em ranking divulgado ontem pela empresa de educação internacional EF (Education First), o Brasil manteve a 38ª posição entre 63 países avaliados.

O país mais bem avaliado foi a Dinamarca. Na outra ponta, o Iraque, com o nível mais baixo de fluência em inglês.

O índice de proficiência no Brasil caiu um pouco, de 50,07, no ranking divulgado em 2013, para 49,96, nesta recente edição. O nível de inglês dos brasileiros é considerado baixo, pior do que o de vietnamitas, peruanos e equatorianos, por exemplo.

Desde 2010, brasileiros conseguiram apenas uma evolução de 2,69 pontos, saindo de um nível muito baixo de fluência no idioma para um nível baixo de proficiência.

Para classificar os países, a EF utiliza dados de exames de 750.000 alunos maiores de 18 anos que fizeram exames de inglês em 2013. 

Segundo Vera Bianchini, coordenadora pedagógica da Fisk, há uma influência econômica que explica os resultados brasileiros.

“Uma boa parcela da população não atinge um nível de proficiência mais alto por considerar necessário para seu cotidiano somente o ‘inglês básico’, de emergência, para situações que dispensam conhecimento mais profundo”, diz.

Quem chega ao nível avançado, diz a coordenadora pedagógica, é quem tem objetivos específicos: trabalhar em multinacional, atuar em cargos em que o idioma é necessário, viajar, estudar ou morar no exterior.

No entanto, Vera diz que a expectativa era de alguma melhora, já que, em 2013, os brasileiros se preparavam para sediar a Copa de 2014.

“Todos imaginavam que, antes da Copa do Mundo, haveria maior interesse no aprendizado da língua inglesa. Isso não aconteceu e o brasileiro em geral utilizou conhecimentos básicos no inglês e a tecnologia como aliada, com o uso de aplicativos”, afirma.

E, se, na Copa, a Argentina foi melhor do que o Brasil no futebol, nesta disputa, os argentinos ganham de lavada do Brasil. Nossos vizinhos estão 15ª posição, com índice de proficiência considerado alto. Veja no ranking:

Ranking País Nota Nível de proficiência
1 Dinamarca 69.30 muito alto
2 Holanda 68.99 muito alto
3 Suécia 67.80 muito alto
4 Finlândia 64.40 muito alto
5 Noruega 64.33 muito alto
6 Polônia 64.26 muito alto
7 Áustria 63.21 muito alto
8 Estônia 61.39 alto
9 Bélgica 61.21 alto
10 Alemanha 60.89 alto
11 Eslovênia 60.60 alto
12 Malásia 59.73 alto
13 Cingapura 59.58 alto
14 Letônia 59.43 alto
15 Argentina 59.02 alto
16 Romênia 58.63 alto
17 Hungria 58.55 alto
18 Suíça 58.29 alto
19 República Tcheca 57.42 moderado
20 Espanha 57.18 moderado
21 Portugal 56.83 moderado
22 Eslováquia 55.96 moderado
23 República Dominicana 53.66 moderado
24 Coreia do Sul 53.62 moderado
25 Índia 53.54 moderado
26 Japão 52.88 moderado
27 Itália 52.80 moderado
28 Indonésia 52.74 moderado
29 França 52.69 moderado
30 Taiwan 52.56 moderado
31 Hong Kong 52.50 moderado
32 Emirados Árabes Unido 51.80 baixo
33 Vietnã 51.57 baixo
34 Peru 51.46 baixo
35 Equador 51.05 baixo
36 Rússia 50.44 baixo
37 China 50.15 baixo
38 Brasil 49.96 baixo
39 México 49.83 baixo
40 Uruguai 49.61 baixo
41 Chile 48.75 baixo
42 Colômbia 48.54 baixo
43 Costa Rica 48.53 baixo
44 Ucrânia 48.50 baixo
45 Jordânia 47.82 muito baixo
46 Qatar 47.81 muito baixo
47 Turquia 47.80 muito baixo
48 Tailândia 47.79 muito baixo
49 Sri Lanka 46.37 muito baixo
50 Venezuela 46.12 muito baixo
51 Guatemala 45.77 muito baixo
52 Panamá 43.70 muito baixo
53 El Salvador 43.46 muito baixo
54 Cazaquistão 42.97 muito baixo
55 Marrocos 42.43 muito baixo
56 Egito 42.13 muito baixo
57 Irã 41.83 muito baixo
58 Kuwait 41.80 muito baixo
59 Arábia Saudita 39.48 muito baixo
60 Argélia 38.51 muito baixo
61 Camboja 38.25 muito baixo
62 Líbia 38.19 muito baixo
63 Iraque 38.02 muito baixo

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.