• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Seis maneiras de se proteger contra golpes no Pix neste fim de ano

Devido às facilidades, estabelecimentos dão vantagens para quem optar pelo pagamento via Pix, mas popularização é um atrativo para criminosos
No primeiro semestre de 2021 foram feitos mais de dois milhões de registros de fraudes relacionadas a dados bancários, aponta pesquisa (Getty Images/Rafael Henrique/SOPA)
No primeiro semestre de 2021 foram feitos mais de dois milhões de registros de fraudes relacionadas a dados bancários, aponta pesquisa (Getty Images/Rafael Henrique/SOPA)
Por BússolaPublicado em 21/12/2021 09:00 | Última atualização em 20/12/2021 17:25Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Por Bússola

Com pouco mais de um ano de existência, o Pix, modalidade de pagamento instantâneo, se tornou a queridinha dos brasileiros. Só em novembro deste ano, foram registradas mais de 360 milhões de chaves ativas em todo território nacional, segundo o Banco Central. A evidente aderência dos brasileiros ao modelo de pagamento se deve à rapidez da transação e gratuidade para pessoas físicas.

Por conta das facilidades, vários estabelecimentos dão vantagens para quem optar pelo pagamento via Pix, e a popularização do meio de pagamento é um atrativo para criminosos. Ainda que o Banco Central tenha reduzido o limite das transações entre 20h e 6h e aos finais de semana depois de diversos casos de assaltos, não são poucas as pessoas que foram lesadas: segundo o Dfndr Lab, principal laboratório de cibersegurança da América Latina, no primeiro semestre de 2021 foram feitos mais de dois milhões de registros de fraudes relacionadas a dados bancários.

Confira algumas dicas para saber como se proteger e ter um final de ano mais tranquilo:

Cuidado com o falso comprovante de pagamento

Segundo Paulo Castro, CEO e co-fundador do Contbank, fintech especializada em PMEs, um dos golpes que mais afetam as empresas é quando um cliente envia um comprovante de transação falso: “É sempre necessário conferir no extrato da conta se o dinheiro realmente entrou. Como o pagamento é feito de maneira instantânea é possível olhar pelo próprio aplicativo bancário”.

Fique atento aos golpes mais refinados

Apesar do tipo mais comum de golpe envolvendo o pix ser através do relacionamento direto entre o criminoso e a vítima, há crimes que envolvem engenhosos esquemas hackers. Segundo Eduardo Tardelli, CEO da upLexis, empresa especializada em mineração de dados, um arquivo pode ser enviado por e-mail ou link suspeito e quando o usuário abre, um software espião é instalado no dispositivo sem que se perceba. “Quando o aplicativo bancário é aberto, o malware captura todas as informações da pessoa. Pela facilidade do pix, é possível transferir toda a quantia da conta para o criminoso. O ideal é não clicar em nenhum link de origem duvidosa”.

Verifique o CNPJ antes de fazer o pagamento

O PIX é uma forma de pagamento irreversível, por isso é importante verificar se o CNPJ da chave corresponde ao estabelecimento correto. “Pesquise por referências na internet, em sites como o ReclameAqui ou Consumidor.gov.br, verifique se o nome e CNPJ do recebedor do Pix é, de fato, a empresa de onde você está comprando e, sobretudo, desconfie de Pix para pessoas físicas e MEIs”, alerta Ariane Pelicioli, CEO da iUPay, fintech acelerada pelo InovAtiva Brasil.

Se comprar online, não pague fora da plataforma

Caso esteja comprando em uma loja online ou marketplace, é primordial que a compra seja finalizada no mesmo lugar, seja no site ou app. Desta forma, há garantia de ressarcimento caso a encomenda não chegue. Se o vendedor pedir para finalizar a transação em outro ambiente ou para transferir o dinheiro, desconfie. "O Pix trouxe mais agilidade e inclusão para os variados tipos de usuários brasileiros. Em contrapartida, a facilidade também chega aos fraudadores, que agora têm mais uma ferramenta para alimentar seus esquemas fraudulentos, por isso, é preciso estar sempre atento" explica Ralf Germer, CEO da PagBrasil, fintech brasileira líder em pagamentos em e-commerces ao redor do mundo.

Ative a autenticação de dois fatores

Cadastre a autenticação de dois fatores, um recurso disponível em vários aplicativos para reforçar a segurança do acesso. Esta ferramenta funciona como uma camada extra de segurança. “Ao ativar a verificação em duas etapas, como um código de SMS ou PIN, o usuário precisa fornecer uma segunda informação após inserir login e senha, e só então terá acesso à conta. Isso dificulta que o perfil seja clonado. Além disso, em hipótese alguma, compartilhe as suas senhas, nem utilize o salvamento automático em serviços sensíveis de pagamento, a exemplo do home banking”, destaca Andrew Martinez, CEO da HackerSec, empresa referência em cibersegurança no país.

Desconfie de falsas centrais de atendimento telefônica de instituições financeiras

É notório que o pix continua em evolução e novas funcionalidades são implementadas a todo momento, mas é preciso ter cautela quando o assunto envolve transações financeiras. Aliada a tecnologia, as práticas de fraudes e golpes também estão se acentuando. Muitas vezes, golpistas entram em contato por telefone ou whatsapp se passando pela instituição financeira para ajudar a vítima a fazer o cadastramento da chave pix, e induz a fazer uma transferência ou solicita informações sigilosas ao cliente. “Sempre desconfie, afinal, o banco nunca solicitará dados pessoais ao cliente, seja por e-mail, telefone ou redes sociais. Caso tenha qualquer dúvida, é importante entrar em contato com seu banco” comenta Alberto André, CEO do Plusdin, portal de produtos e serviços financeiros que recomenda produtos exclusivamente de acordo com as necessidades de cada cliente.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também