Bússola
Um conteúdo Bússola

Saúde mental: um problema a ser enfrentado

Cuidar da mente é uma questão fundamental para a resiliência psicológica e o bem estar das pessoas

Resiliência é a palavra chave para o enfrentamento dos problemas (Foto/Thinkstock)

Resiliência é a palavra chave para o enfrentamento dos problemas (Foto/Thinkstock)

B

Bússola

Publicado em 12 de outubro de 2022 às 15h00.

Por Alice Sosnowski*

 

A data de 10 de outubro marcou o Dia Mundial da Saúde Mental, dia promovido para marcar a conscientização das pessoas e a importância da saúde mental. Apesar de muito divulgado atualmente, este aspecto do bem-estar humano ainda é muito negligenciado pelas pessoas, corporações, instituições educacionais e a sociedade como um todo.

Segundo a Organização Mundial de Saúde não existe definição oficial de saúde mental, mas na perspectiva da psicologia, ela é um termo usado para descrever um nível de qualidade de vida cognitiva que inclui a capacidade de um indivíduo procurar equilíbrio entre as atividades e os esforços para atingir a resiliência psicológica.

E está aí uma palavra chave para entendermos a saúde mental: RESILIÊNCIA, ou seja, o enfrentamento saudável dos problemas e a capacidade de voltar a um estado emocional tranquilo, mesmo diante dos obstáculos, erros e imprevistos.

Isso não parece muito fácil nos dias de hoje né?! Com as obrigações no trabalho, problemas em família e nos relacionamentos, questões políticas e econômicas que nos cansam todos os dias, é natural sentirmos nervosos e ansiosos. No Brasil, milhões de profissionais também estão sendo afetados pela instabilidade do mercado de trabalho que passa por uma transformação semelhante à revolução industrial, com demissões, reestruturações, exigências crescentes e uma incerteza constante.

Um em cada dez brasileiros enfrenta problemas de ansiedade, uma taxa três vezes maior que a média mundial. No entanto, algumas reações ultrapassam o desconforto emocional e evoluem para doenças físicas e questões de saúde pública.

Por isso, é preciso enfrentar o problema de frente, quebrar o silêncio e pedir ajuda. Pode ser para a família, os amigos ou uma rede de apoio.  Vale também procurar um psicólogo ou psiquiatra. Hoje em dia, com a tecnologia, é possível fazer consultas online a preços bem mais acessíveis.

Também é necessário cuidar da qualidade de vida: praticar atividade física, se alimentar bem, dormir o suficiente, fazer meditação ou exercícios de relaxamento. Evitar gatilhos de ansiedade – como as redes sociais – e procurar momentos de prazer nos livros, na música, na conversa com os amigos.

A mente é uma ferramenta valiosa e poderosa, mas precisamos aprender a olhar para ela como cuidamos do corpo para usufruir de uma vida mais plena, com qualidade e bem-estar. Essa é uma questão que não pode ser colocada debaixo do tapete e merece a atenção de todos.

*Alice Sosnowski é jornalista, consultora de negócios e especialista em empreendedorismo e soft skills. Foi eleita em 2019 uma das Top Voices no Linkedin. Criadora da metodologia O Pulo do Gato Empreendedor, que desenvolve habilidades para os desafios da nova economia

 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

 

Investir em saúde e educação é solução para bons rendimentos

Setembro Amarelo: 5 empresas que investem no bem-estar dos colaboradores

No Setembro Amarelo, startup “alimenta” população com “marmitas”

 

 

 

Acompanhe tudo sobre:qualidade-de-vidaSaúde

Mais de Bússola

Joice Lopes: existe caminho seguro para o futuro na educação digital das crianças?

Ex-Alpargatas, Beto Funari mergulha em IA, pets, mentoria de CEOs e lança livro

Rebranding: case Boca Rosa, cada vez menos rosa

Análise do Alon: uma briga combinada?

Mais na Exame