Bússola
Um conteúdo Bússola

Como ele foi de boia-fria a CEO de uma das maiores empresas de tecnologia no Brasil

Conheça a trajetória de Edivaldo Rocha, que deixa a Claranet após uma presidência que contribuiu com o recorde histórico na receita com crescimento de 23% anuais entre 1992 e 2020

O executivo e ex-presidente da Claranet Brasil, Edivaldo Rocha (Claranet Brasil/Divulgação)

O executivo e ex-presidente da Claranet Brasil, Edivaldo Rocha (Claranet Brasil/Divulgação)

Aquiles Rodrigues
Aquiles Rodrigues

Repórter Bússola

Publicado em 24 de abril de 2024 às 16h03.

Tudo sobreEmpreendedorismo
Saiba mais

Quando tinha sete anos de idade, Edivaldo Rocha prometeu a seu pai que compraria uma fazenda, e a sua mãe que faria uma casa com piscina. Os boias-frias de Japurá, no interior do Paraná, tinham fé no garoto. 

28 anos depois, com muito esforço e depois de ser ele mesmo um boia-fria, Edivaldo cumpriu suas promessas ao se tornar CEO de uma empresa de tecnologia que obteve recorde histórico de crescimento em receita com CAGR de 23% entre 1992 e 2020.

Neste período, a Claranet Brasil, que começou como CorpFlex Informática S/A, expandiu a receita de contratos de R$ 5 milhões para R$ 280 milhões e terminou 2023 com uma margem de EBITDA 2,5 vezes maior que a da sua matriz internacional, o Grupo CGL.

Hoje, Edivaldo deixa a presidência da empresa de soluções para nuvem com o orgulho de poder olhar para trás e ver uma trajetória de sucesso

“Não imaginei naquele momento (quando fez a promessa a seus pais) que era um sonho tão grande, mas hoje entendo que sonhar grande com objetivo e metas clara tudo se torna possível.

Como ele saiu de baixo e chegou no topo?

Edivaldo queria o mundo e uma vida melhor para quem o criou. 

“Com o objetivo de realizar meus sonhos, me dediquei aos estudos, mesmo frequentando uma escola rural, municipal e estadual. Descobri meu dom especial para cálculos e, mais tarde, meu interesse em questões relacionadas ao mercado de ações que tanto amo hoje”, conta.

Depois de muito esforço, concluiu os seguintes estudos: 

  • Superior em Administração de Empresas com ênfase em Finanças e Ciências Contábeis na Universidade São Francisco.
  • MBA Executivo em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). 
  • PDD (Programa de Desenvolvimento de Dirigentes) na Fundação Dom Cabral (FDC).

Ele iniciou a carreira como trainee na Schwing Stetter, empresa que faturava mais de R$ 1 bilhão. Atuou nas áreas de controladoria, fiscal, custos e estratégia na Lafarge Braas Roofing Brasil Ltda e Contag Consultoria Empresarial S/C Ltda.

Nessas empresas, percebi e vivenciei algo ímpar na questão de formação de pessoas. Tive mentores que me deram oportunidade de mudar minha vida”. 

Em 2002, com 22 anos, entrou para a CorpFlex, como gerente financeiro. Em mais de 20 anos na empresa, ele se tornou CEO e promoveu um período de grandes avanços.  

Na liderança, seus valores trouxeram sucesso

O executivo começou como gerente financeiro, passou para controller, CFO, vice-presidente e em 2015 se tornou sócio e presidente da empresa

  • Em 2020 a CorpFlex foi incorporada pelo Grupo CGL, se tornou Claranet Brasil, Edvaldo continuou como CEO e entrou como o único sócio da empresa internacional.

No topo, o rapaz que começou de baixo cultivou uma liderança pautada pela inovação e qualidade de serviços.

  • Ele guiou a preparação para o IPO e a conduziu à listagem na CVM/B3.
  • Sob sua liderança, Claranet Brasil alcançou a maior geração de caixa da B3 e a maior margem de EBITDA de uma empresa de tecnologia.

Sua atuação foi chave na estratégia de expansão, com a aquisição da CredibilIT, da própria CorpFlex, da Mandic e da ADTsys.

A ampliação permitiu a oferta de uma gama maior de soluções tecnológicas, cibersegurança e cloud computing no Brasil. Assim, a Claranet consolidou sua posição de liderança no mercado.

“No negócio em si, é necessário promover uma qualidade dos serviços e soluções aos clientes, resultando sempre numa entrega qualificada. Fazer o básico bem feito foi e continuará sendo o maior grau de sofisticação”, comenta. 

O que os aspirantes a empresários precisam saber?

Após uma longa caminhada, Edivaldo Rocha se vê com sucesso e, aos jovens empreendedores, ele dá a seguinte dica:

É preciso acreditar em seus sonhos, planejar e buscar sempre liderar pelo exemplo, formando gente melhor que você com visões e opiniões diferentes para complementar a sua estratégia. É preciso buscar aconselhamento de pessoas que já realizaram algo grande e com mais experiências e é importante que estude e se especialize no setor em que você quer empreender”.

  • Em abril deste ano, 2024, Edivaldo Rocha deixa a Claranet Brasil, vendendo 100% das suas ações. 

“O líder tem um papel importante de levar as pessoas a um lugar onde jamais imaginaram estar”, conclui.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

 

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:empresas-de-tecnologiaEmpreendedorismo

Mais de Bússola

O que são contratos de representação comercial e como evitar insegurança jurídica

Como a Positivo aumentou seu lucro líquido em 655% em um ano

A volta da dupla Senna e Shell: marcas firmam parceria para promover lançamento de etanol aditivado

Bússola Cultural: Dia do Orgulho Nerd terá comemoração gratuita em São Paulo

Mais na Exame