Com CPI da Covid, oposição à agenda reformista pode se fortalecer

Governo vai precisar evitar o risco de contaminação, no Senado, de outras matérias de interesse

Os primeiros depoimentos na CPI da Pandemia trazem um risco subjacente para a articulação política do Palácio do Planalto, de que as fileiras da oposição à agenda reformista fiquem mais fortalecidas. É óbvio que será preciso proteger o governo, mas também deve-se evitar o risco de contaminação, no Senado, de outras matérias de interesse governamental. A agenda liberal ainda está inacabada.

Enquanto ex-ministros da Saúde estarão postados no paredão da CPI, finalmente o relator da Reforma Tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (Progressistas-PB), apresentará seu relatório na Câmara dos Deputados. E a Reforma Administrativa ainda dá seus primeiros passos regimentais no parlamento. Ambas estão na Câmara, onde o governo demonstra ter maioria tranquila. Mas elas chegarão ao Senado, onde há dificuldades. Só superam a barreira de mudanças constitucionais se atingirem o quórum de três quintos, já difícil em tempos normais.

A CPI nasceu sob controle da oposição, numa derrota do governo que ficou sem maioria. Disputas viscerais costumam surgir nessas situações. A virulência dos debates pode contaminar as relações entre os partidos integrantes da base de governo. São relações delicadas, e muito mais sensíveis no Senado, onde há apenas 81 integrantes e cada um deles sabe o peso de seu voto.

Haverá embates duros na comissão. Se não houver um cordão sanitário para manter na comissão o que for da comissão, as lutas podem atravessar os corredores desenhados por Oscar Niemeyer e se tornar briga de rua em frente ao Planalto. Não é o que um governo com agenda reformista necessita. Mas é tudo que a oposição quer que aconteça para gerar a percepção de paralisia do governo em ano pré-eleitoral.

Turbulência política atrapalha a economia. Hoje, o país tem um cenário de boom de commodities e ganha mercados pela depreciação do real, com viés de alta para o setor de exportações. O governo sabe que precisa de muita vacina para vencer a pandemia de Sars-CoV-2, mas também precisa se imunizar contra os erros políticos na CPI.

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.