Bússola
Um conteúdo Bússola

Coca-Cola Femsa renova projeto de preservação ambiental em Jundiaí

Projeto Olhos da Serra preserva área de 14 mil hectares na Serra do Japi

Projeto amplia área de preservação (Bussola/Divulgação)

Projeto amplia área de preservação (Bussola/Divulgação)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 28 de março de 2023 às 11h00.

No mês em que se comemora o Dia Mundial da Água, a indústria de refrigerantes reforça o compromisso com o uso eficiente deste recurso natural, principal matéria-prima de seus produtos. Uma das iniciativas, patrocinada pela Coca-Cola Femsa Brasil e pela Coca-Cola Brasil, é a renovação do Projeto Olhos da Serra, que amplia a área atendida com ações de preservação na serra do Japi, em Jundiaí, de 2 mil para mais de 14 mil hectares. As atividades a serem desenvolvidas no território terão seis eixos temáticos: governança; monitoramento do fluxo de pessoas e gestão dos incêndios florestais; saneamento rural; reflorestamento de matas ciliares; educação ambiental; e comunicação.

Conduzido pelo Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ), o Olhos da Serra prevê, entre outras atividades, a formação de brigadistas, com a aplicação de curso de capacitação profissional pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), a promoção de ações de saneamento rural e a implantação de uma propriedade modelo com tratamento de efluentes, gestão de resíduos e de água cinzas.

“A água é a principal matéria-prima de nossos produtos e é fundamental para o nosso negócio. Além de assegurar seu uso de forma eficiente em nossas fábricas, temos o compromisso de contribuir com soluções que promovam a segurança hídrica das comunidades onde atuamos. O projeto Olhos da Serra mostra que sociedade civil, poder público e setor privado podem trabalhar juntos em prol do meio ambiente e de um futuro sustentável”, afirma Camila Amaral, VP Jurídica e de Assuntos Corporativos da Coca-Cola Femsa Brasil.

"A água não é apenas o principal ingrediente da maioria de nossas bebidas, mas também é fundamental para o sucesso de longo prazo de nosso negócio, bem como para a boa saúde de nossas comunidades e bacias hidrográficas. Nossa estratégia holística da água está focada em promover a segurança hidrológica para 2030 em todos os locais em que operamos. A The Coca-Cola Company está trabalhando intensamente para melhorar a conservação das bacias hidrográficas e, para isso, estamos sempre em busca do conjunto de parceiros e atividades mais adequadas para cada contexto e região”, declara Rodrigo Brito, Head de Sustentabilidade para Coca-Cola Brasil e Cone Sul.

“A proteção ambiental passa pelas ações de educação para a conscientização das pessoas sobre a importância que a Serra do Japi tem para Jundiaí e as cidades do entorno. Garantir que o remanescente de Mata Atlântica mantenha suas características com água, fauna e flora faz parte das iniciativas da gestão, por isso reeditamos a Lei de Congelamento da Serra do Japi (Lei Complementar 576/2017), para ampliar em 10 anos a proibição de procedimentos administrativos para fins imobiliários no Território de Gestão da Serra do Japi”, diz o prefeito Luiz Fernando Machado.

Proteção

Os incêndios florestais causam muita preocupação à população local, e ameaçam a biodiversidade da região, considerada pela Unesco como Reserva da Biosfera. Para essa nova etapa, o projeto prevê a formação de brigadistas com a aplicação de curso de capacitação profissional pelo ICMBio, e outras formações teórico-práticas, com apoio do Instituto Cerrados e da Fundação Florestal. O curso será oferecido aos brigadistas do município de Jundiaí e aos profissionais dos demais municípios inseridos no território da Serra do Japi (Cajamar, Cabreúva e Pirapora do Bom Jesus). Em continuidade à primeira fase do projeto, neste eixo está prevista também a continuidade do monitoramento do fluxo de pessoas no entorno da área da Reserva Biológica (Rebio), visando reduzir outros impactos florestais além do fogo, como os atropelamentos de fauna, compactação das trilhas, disposição incorreta de resíduos, entre outros.

No eixo da educação ambiental, o projeto realizará atividades como pedágios e feiras ambientais, com objetivo de sensibilizar a comunidade das cidades que circundam a Serra do Japi sobre a importância da área para a sustentabilidade hídrica das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Bacias PCJ). Ainda estão previstas a elaboração de cartilhas educativas, maquetes e vídeo animação em apoio às atividades desenvolvidas pela Fundação Serra do Japi e pela DAE Jundiaí com as escolas do município, respectivamente, no Centro de Referência em Educação Ambiental (Cream) e no Mundo das Crianças. A Unidade de Gestão da Educação, da Prefeitura de Jundiaí, será integrada às ações de governança, assim como outras instituições que realizam trabalhos com as escolas da região, para multiplicação dos conhecimentos construídos pelo projeto.

Outra novidade do projeto nessa segunda fase, é a promoção de ações de saneamento rural. Está prevista a implantação de uma propriedade modelo com tratamento de efluentes, gestão de resíduos e de água cinzas, que será utilizada para ações de capacitação com os proprietários rurais, visando trazer melhorias ao efluente lançado nas nascentes e pequenos cursos d’água localizados na Serra do Japi e, por consequência, na qualidade das águas para o abastecimento da comunidade ao redor.

Outra propriedade modelo será lançada no território da Serra do Japi visando a proteção de nascentes e rios, a partir da elaboração de Planos Integrados de Propriedade (PIP) e a realização de reflorestamento ciliar. Tais ações visam contribuir com a qualificação dos proprietários rurais em Programas de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), sejam eles do município ou do estado de São Paulo.

No eixo da governança, o Projeto Olhos da Serra seguirá ouvindo a comunidade local e os parceiros através do Conselho de Acompanhamento das atividades, instituído na primeira fase, buscando soluções e ações conjuntas para a execução do projeto. Para ampliar as ações de comunicação, as postagens e interações nas mídias sociais e o marketing digital serão retomados, e serão produzidos outros materiais educomunicativos, como vídeos, flyers digitais e infográficos, buscando unir os moradores da área e sensibilizar a comunidade em geral sobre a riqueza biológica e hídrica do local.

As atividades do projeto se iniciam junto com a primeira reunião do Conselho de Acompanhamento, no dia 29 de março. Para abril, está previsto o início das ações de educação ambiental, com a realização do primeiro pedágio ambiental.

“A Serra do Japi é de uma riqueza incomensurável para a biodiversidade e para a sustentabilidade hídrica de toda a nossa bacia hidrográfica. A região é considerada um castelo de águas, devido à quantidade de nascentes que irão alimentar diversos cursos d’água. A chegada do Projeto Olhos da Serra e sua continuidade busca preservar essa área estratégica para o presente e futuro”, diz o gestor do projeto pelo Consórcio PCJ, Eduardo Paniguel, acrescentando que os resultados da primeira etapa serão expostos em três painéis dentro da Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Água, que acontecerá em Nova York, de 22 a 24 de março.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Líderes têm o mesmo impacto na saúde mental do que parceiros

Qual o real poder da autodemissão?

O que os jovens podem fazer, agora, pelo futuro do Brasil

Acompanhe tudo sobre:Coca-ColaFemsaSustentabilidadeÁgua

Mais de Bússola

Gestão Sustentável: um mercado de US$ 53 trilhões precisa se provar?

Como a ICONIC, que opera Ipiranga e Texaco Lubrificantes, planeja reduzir 43% das emissões até 2030

Mariana Plum: como a crise no Rio Grande do Sul impõe a necessidade de integrar Defesa e clima

Gente & Gestão: o acaso não é por acaso!

Mais na Exame