Cebri tem objetivo de carbono neutro até 2060 e fecha novas parcerias

Para influenciar a formulação de políticas públicas e projetar o país no cenário internacional, Cebri fecha iniciativas com o setor público e privado

Fundado há 23 anos pela nata da diplomacia brasileira e idealizado pelo Embaixador Luiz Felipe Lampreia, o Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) deu uma guinada em sua estratégia de comunicação para ampliar o alcance de suas iniciativas, influenciar a formulação de políticas públicas e melhor projetar o Brasil no cenário internacional.

O think tank lançou novo site, nova logomarca, e este ano já promoveu cerca de 70 debates online propositivos com lideranças do setor público e da iniciativa privada. “As mudanças refletem nosso atual momento, de mais criatividade, dinamismo e proximidade com a sociedade”, declara a diretora-presidente, Julia Dias Leite.

O Cebri se organiza a partir de 12 núcleos temáticos de trabalho: América do Sul, Estados Unidos, Ásia, Europa, Agro, Economia e Comércio Internacional, Cultura e Relações Internacionais, Energia, Infraestrutura, Meio Ambiente e Mudança do Clima, Multilateralismo e Defesa e Segurança Internacional.

Com mais de 112 empresas associadas de diversos segmentos econômicos, como BASF, BRF, Huawei, Eletrobras, Itaú, BNDES, ExxonMobil, Equinor, Petrobras, Shell, o Cebri lançou recentemente o Programa de Transição Energética (PTE), em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O objetivo de reunir uma empresa pública, um banco de fomento e o think tank é apresentar propostas plurais e independentes para a formulação de políticas públicas, visando à meta de carbono neutro até 2060.

“A transição energética configura uma imensa oportunidade para o Brasil que alia abundância e diversidade energética, em matriz de invejável qualidade, a valiosos ativos ambientais. As mudanças no perfil de consumo e exigências dos investidores, cada vez mais associadas à sustentabilidade, reforçam a demanda por inovação tanto tecnológica como de políticas públicas”, afirma o vice-presidente do Cebri, Jorge Camargo, que está à frente da iniciativa com a Senior Fellow do Núcleo Energia do Cebri, Rafaela Guedes.

Outra iniciativa inovadora, idealizada por Julia, foi o primeiro curso online sobre a História da Diplomacia Brasileira, com a participação de ex-presidentes, ex-ministros e diplomatas. Mais de 1.500 participantes de 27 países e todos os estados brasileiros se inscreveram, abrindo um novo canal de diálogo na área de Educação.

Paralelamente, nos dias 16 e 17 de setembro, o think tank promoverá, em parceria com a Fundação Konrad Adenauer (KAS) e a Delegação Europeia no Brasil, a maior Conferência de Segurança Internacional na América Latina, a Conferência do Forte de Copacabana, com o tema “Ausência de Guerras significa Paz?” — Estratégias de segurança internacional em uma nova ordem geopolítica mundial. Os debates serão em torno de três eixos: gestão global de risco e o papel das Forças Armadas; multilateralismo e o papel das alianças transnacionais de segurança e respostas cibernéticas a situações.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também