Bússola
Um conteúdo Bússola

Ageless: a revolução da longevidade

População brasileira está envelhecendo e começando uma revolução. Confira a coluna sobre diversidade etária deste mês, escrita por Mauro Wainstock

"O número de trabalhadores com mais de 50 anos no Brasil mais do que dobrou em 15 anos" (Charday Penn/Getty Images)

"O número de trabalhadores com mais de 50 anos no Brasil mais do que dobrou em 15 anos" (Charday Penn/Getty Images)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 6 de maio de 2024 às 15h00.

Tudo sobrelongevidade
Saiba mais

Por Mauro Wainstock*

No início de maio, a Assembleia Geral da ONU divulgou que, nos últimos 30 anos, a população mundial passou de 5,6 para 8,1 bilhões de pessoas e as projeções indicam um aumento para quase 9,9 bilhões em 2054.

O relatório apresentado durante a 57ª sessão da Comissão de População e Desenvolvimento também revelou que a expectativa de vida ao nascer registrou melhorias notáveis, aumentando de 64,5 anos, em média, em 1994, para 73,7 anos este ano.

A longevidade, juntamente com a queda de nascimentos, transformaram a distribuição da população global: o número de crianças menores de 5 anos permaneceu estável, enquanto o número de pessoas com 65+ duplicou em 30 anos e deverá dobrar novamente até 2054.

Em outras palavras... o mundo está envelhecendo aceleradamente!

Não por acaso a Organização Mundial de Saúde qualificou o período de 2021 a 2031 como a “década do envelhecimento saudável” e uma das “megatendências deste século”.

Há alguns dias tive a oportunidade de conversar com uma das principais autoridades globais no tema longevidade, o gerontólogo Alexandre Kalache, presidente do International Longevity Centre Brazil e ex-diretor da Organização Mundial de Saúde, sobre o que ele chama de “A revolução da Longevidade”. Ele me apresentou outros números impactantes: de 1950 a 2050, enquanto a população global crescerá 3,7 vezes, os 60+ vão aumentar 10 vezes e os 80+ 27 vezes. Por outro lado, se a taxa de fecundidade era de 5,7 filhos em 1975, em 2023 este número baixou para 1,7 e continua diminuindo...

Na França, foram necessários 145 anos (1850 a 1995) para dobrar a população de idosos de 10% para 20% da população e, no Brasil, isto ocorrerá em apenas 19 anos (2011 a 2030). E tem mais: a proporção de 60+ será 1/3 da população brasileira em 2050, sendo a única faixa etária que sofrerá crescimento populacional até lá.

No final de abril, a Organização Mundial da Saúde realizou a “Semana Intergeracional Global”, campanha que objetivou destacar os benefícios desta prática e combater o etarismo, preconceito que atinge metade da população mundial de todas as faixas etárias. Impressionante!

É inexplicável como, mesmo diante destes números e fatos, ainda estamos engatinhando nesta questão. 

Trata-se de um desafio premente que deve ser priorizado

O profissional 50+, que há poucas décadas estaria prestes a se aposentar e fadado a viver mais poucos anos, hoje precisa manter a saúde e as contas equilibradas porque, quando menos esperar, poderá virar centenário. Neste sentido, além desta conscientização, precisa estar ativo física e socialmente, estruturado emocionalmente e atualizado técnica e tecnologicamente, além de se aprimorar cada vez mais em termos comportamentais. Ir à academia (nos dois entendimentos), ter hobbies, amigos e estar inserido genuinamente no ambiente corporativo são formas de exercitar várias destas questões.

O número de trabalhadores com mais de 50 anos no Brasil mais do que dobrou em 15 anos, indo de 4,4 milhões em 2006 para 9,3 milhões em 2021aumento de 110,6%. O estoque de emprego formal geral, nesse mesmo período, cresceu 38,6%. Isso significa que o ritmo de crescimento dos 50+ é quase três vezes maior do que o brasileiro.

Mas apenas contratar não é suficiente 

É imprescindível a formação de líderes comprometidos, ambidestros, qualificados e sensíveis para lidar com as complexidades decorrentes do envelhecimento, dos novos formatos de trabalho, dos interesses e desejos específicos das variadas gerações. Quanto mais a equipe for diversa e plural, quanto mais mesclar a juventude e a experiência, quanto mais abraçar a troca e a interseccionalidade, mais o ambiente será harmônico, inovador e com potencial de ampliar o bem-estar individual e a lucratividade corporativa.

Não há fórmulas mágicas, rápidas nem padronizadas. As ações para o tão almejado respeito mútuo e a real inclusão envolvem letramentos, inclusive através de games, palestras, treinamentos, mentorias bilaterais, rodas de conversas e envolventes hackatons, apenas para citar alguns exemplos. Tudo com viés prático e engajador.

Não basta felicitar os grupos de afinidade apenas em datas comemorativas. O movimento precisa ser constante, sólido e estratégico. Inclusive reavaliando as necessidades específicas deste público em termos de produtos, serviços e linguagem publicitária.

A AlmapBBDO, sexta maior agência de publicidade do Brasil, realizou o estudo “A revolução da Longevidade” (mais um a utilizar este título!) sobre o potencial da “economia prateada” em que detectou que 73% dos consumidores das classes sociais A, B e C e 75.1% da C e D não se sentem representados pela comunicação e sentem-se invisíveis.

De acordo com o relatório, “a propaganda deixou de ser sobre projeção para trazer identificação e representatividade. Existe um novo consumidor longevo, um novo mercado de trabalho longevo, um novo empreendedorismo longevo, uma nova economia da longevidade. Este é o mercado mais dinâmico, que mais cresce no mundo e que já movimenta R$ 22 trilhões de dólares/ano”.

Estas são recomendações de profissionais de marketing! Lembro da famosa frase de Nizan Guanaes, publicitário que foi chairman da própria AlmapBBDO: “Enquanto eles choram, eu vendo lenços

São oportunidades de lucro sendo desperdiçadas!

E, para concluir, a agência deixa um desafio: “como a propaganda poderia pensar no velho de um jeito novo? É possível imaginarmos novas formas de falar com as pessoas mais velhas? De revermos nossos preconceitos? De trazê-las para dentro, para que se sintam pertencendo? De valorizarmos suas histórias e crenças? De convidá-las a realizar junto? De ouvi-las com atenção? De considerá-las em nossos briefings? De colocá-las em cenários dinâmicos de reinvenção? De enxergarmos o seu protagonismo?”.

#borarefletir

*Mauro Wainstock foi nomeado Linkedin TOP VOICE, é membro do Instituto Brasileiro do ESG, mentor de executivos, conselheiro de empresas, palestrante sobre diversidade etária/integração geracional e sócio-fundador da consultoria HUB 40+.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Acompanhe tudo sobre:longevidade

Mais de Bússola

Ivson Coêlho: por que mudança na MP 1227 pode trazer incerteza para o ambiente de negócios?

Diretora no Nubank e outras executivas de renome se reúnem em TEDx

Wagner Farid Gattaz: cuidar da Saúde Mental dos funcionários é um bom negócio para a empresa

Paulo Roberto Ribeiro Pinto: marginalizar as hidrelétricas é um erro

Mais na Exame