Brasil

Um dia de cão (e gato) no 1º hospital público para animais do país

Pioneiro no atendimento gratuito e especializado de cães e gatos, hospital em São Paulo não consegue suprir toda a demanda de donos preocupados com seus pets. Veja as imagens

Dono carrega cachorro na entrada de hospital veterinário (Marina Pinho/Exame)

Dono carrega cachorro na entrada de hospital veterinário (Marina Pinho/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de setembro de 2013 às 08h36.

São Paulo – Com pouco mais de um ano de funcionamento, o primeiro hospital veterinário público do país, localizado no bairro do Tatuapé, em São Paulo, já atendeu mais de 12 mil animais. Apesar de impressionante, o número não é suficiente para suprir toda a demanda da capital paulista, fazendo com que filas se formem desde a madrugada.

O hospital oferece serviço especializado para os animais de pessoas de baixa renda, que não têm condições de pagar por tratamentos que podem passar dos R$ 4 mil em clínicas particulares. Ele é administrado pela Associação Nacional de Clínicos Veterinários (Anclipeva), que recebe uma verba mensal de R$ 600 mil da prefeitura para a manutenção do local.

“Somos pioneiros nesse tipo de serviço completo e gratuito, que vai dos exames laboratoriais às cirurgias mais complexas”, afirma o veterinário Daniel Jarrouge, um dos diretores do hospital. “Mas há sempre muito mais animais do que a gente consegue atender”.

Devido ao sucesso do modelo, a capital pode ganhar um segundo hospital ainda este ano, que será construído na Zona Norte. A autorização foi assinada em junho pelo prefeito Fernando Haddad, mas o projeto ainda não saiu do papel.

Acompanhe nas imagens a seguir a visita de EXAME.com ao hospital, realizada na última sexta-feira (13).

Acompanhe tudo sobre:Animaiscidades-brasileirasGatosHospitais públicosMetrópoles globaissao-pauloSaúde no Brasil

Mais de Brasil

Após receber novas doses, SP vai retomar a vacinação contra dengue neste sábado

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Conselho proíbe internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas

Casas de apostas terão que comunicar operações suspeitas ao Coaf e classificar risco de apostadores

Mais na Exame