Brasil

São Paulo começa a aplicar vacina atualizada contra nova variante da Covid-19; veja quem pode tomar

A versão monovalente da vacina da Moderna está atualizada e já começou a ser distribuída e aplicada pelo estado de São Paulo

Publicado em 22 de maio de 2024 às 10h23.

Última atualização em 22 de maio de 2024 às 10h41.

Tudo sobrevacina contra coronavírus
Saiba mais

A cidade de São Paulo começa a aplicar, nesta quarta-feira, 22, a vacina Spikevax, da farmacêutica Moderna, contra a Covid-19. Segundo informações do governo do governo do estado, a capital recebeu 135.360 doses do Ministério da Saúde para dar início ao processo de imunização e reforço contra a doença nos grupos prioritários.

Ao todo, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP) recebeu, e já começou a distribuir para 28 municípios, cerca de 519 mil unidades da vacina monovalente para o público prioritário, que abrange crianças entre 6 meses a 4 anos, pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, puérperas, imunocomprometidos e pessoas a partir de 5 anos com comorbidades.

As vacinas serão aplicadas em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da cidade, de segunda a sexta, e nas AMAs/UBSs Integradas, de segunda a sábado e em feriados. Os serviços funcionam das 7h às 19h.

Desde o início deste ano, a imunização contra a Covid-19 foi incluída no calendário vacinal das crianças menores de 5 anos e na estratégia de vacinação anual para os grupos prioritários.

A vacina da Moderna

A versão monovalente da vacina da Moderna está atualizada para a variante XBB 1.5, uma subvariante da Ômicron que tem a replicação mais veloz até o momento, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Segundo a Universidade Aberta do SUS, a linhagem à qual essa variante faz parte é oriunda das subvariantes BA.2.10.1 e BA.2.75 da Ômicron, e a XBB 1.5 parece ser a mais transmissível até então, responsável por cerca de 43% dos casos de Covid-19 nos Estados Unidos.

No Brasil, dados de vigilância genômica indicam aumento de prováveis subvariantes XBB, mas não há a confirmação se se trata da XBB.1.5. Mas ela já foi detectada por aqui em casos isolados e o aumento crescente do isolamento dessa subvariante em muitos países sugere que a XBB.1.5 será a dominante no mundo em breve.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusVacinasvacina contra coronavírus

Mais de Brasil

Enem estende até dia 21 inscrições para estudantes gaúchos; inscritos saltam 28% e atingem 5 milhões

PUC-Rio pode ir à Justiça por curso de Medicina

Servidores do meio ambiente decidem entrar em greve no dia 24

El Niño dá lugar a La Niña: saiba como o tempo vai mudar com a chegada desse fenômeno

Mais na Exame