Brasil

Rio Grande Sul voltará a enfrentar chuvas fortes e massa de ar polar nesta semana, alerta Inmet

Santa Catarina também deverá ser afetada pela instabilidade nos próximos dias; formação de ciclone no oceano deve intensificar tempestades

Rio Grande do Sul: Na campa gaúcha e na Serra do Sul, as temperaturas mínimas ficam abaixo ou próximas de zero (Anselmo Cunha/AFP)

Rio Grande do Sul: Na campa gaúcha e na Serra do Sul, as temperaturas mínimas ficam abaixo ou próximas de zero (Anselmo Cunha/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 20 de maio de 2024 às 18h28.

Última atualização em 20 de maio de 2024 às 18h40.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alertou, nesta segunda-feira, para o retorno de fortes chuvas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina a partir desta terça-feira. Uma frente fria, causada pelo avanço de uma massa de ar frio de origem polar, irá contribuir para derrubar as temperaturas na Região Sul.

Rajadas de vento acima de 80 km/h e queda de granizo também deve ocorrer nessa porção do país. Entre terça-feira e sexta-feira, o acumulado de chuva pode superar os 100mm em algumas áreas do Rio Grande do Sul. O maior volume é esperado no deslocamento da frente fria do sul para o norte do estado. "Novos transtornos, portanto, são possíveis em função da forte instabilidade que é prevista", disse o Inmet, por meio de nota.

Fortes chuvas devem atingir Sul e Nordeste; RS deve enfrentar frio intenso

Na campa gaúcha e na Serra do Sul, as temperaturas mínimas ficam abaixo ou próximas de zero. Na capital, Porto Alegre, as mínimas previstas devem ficar abaixo de 10°C a partir de sexta-feira, com sensação térmica baixa.

A formação de um ciclone extratropical no Oceano Atlântico, na altura do litoral gaúcho, deve agravar a situação. Segundo o Inmet, o fenômeno "acentuará o contraste térmico entre o vento quente e úmido de norte e o ar frio de sul, intensificando as tempestades e também aumentando os volumes de chuva previstos".

Nível do Guaíba

Depois de um final de semana com o nível em baixa, o Guaíba voltou a subir na manhã desta segunda-feira. A primeira medição de hoje, às 8h15, no Cais Mauá, apontava para 4,32 metros, quatro centímetros a mais do que na noite anterior. Com a influência dos ventos, a tendência é que a água continue descendo ao longo dos dias e um segundo repique aconteça a partir de sexta-feira, quando estão previstas chuvas fortes para o Rio Grande do Sul, de acordo com previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

No domingo, 19, o Guaíba apresentou uma queda acentuada de 15 centímetros. A perspectiva é que a vazão dos rios que deságuam nele não tenham aumento de demanda, e que o vento, no momento, continue sendo o principal inibidor para que as águas escoem com maior velocidade. De acordo com o portal meteorológico MetSul, isso ocorre devido um centro de baixa pressão na costa, que traz o vento do quadrante Sul no Norte da Lagoa dos Patos.

Acompanhe tudo sobre:ClimaEnchentes no RSEnchentesChuvasRio Grande do SulSanta Catarina

Mais de Brasil

Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue; veja nova faixa etária

Reviravolta em julgamento sobre 'sobras eleitorais' pode anular eleição de sete deputados; entenda

Privatização da Sabesp será concluída em 22 de julho; veja os mais cotados para vencer a disputa

Quem é Mello Araújo, anunciado como vice de Nunes em São Paulo

Mais na Exame