Movimentos sociais fazem ato em defesa da Petrobras em SP

Os petroleiros querem chamar a atenção da população para o que consideram "desmonte da empresa" e abertura da exploração do pré-sal para empresas privadas

São Paulo - A Frente Brasil Popular, centrais sindicais e o Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo fizeram hoje (24) um ato em frente ao prédio da Petrobras na Avenida Paulista, região central da cidade, em defesa da Petrobras e do pré-sal.

Os petroleiros querem chamar a atenção da população para o que consideram "desmonte da empresa" e abertura da exploração do pré-sal  para empresas privadas e internacionais.

“Está havendo um desmonte da Petrobras. A nomeação de Pedro Parente para a presidência [da empresa] e a contratação de Nelson Luiz Costa Silva para pensar a estratégia são sinais claros de entrega. Precisamos fazer isso chegar à população”, disse a coordenadora geral do sindicato, Cibele Vieira.

A coordenadora afirmou que a maioria da sociedade "subestima" o pré-sal, achando que é apenas uma "riqueza pequena" no fundo do mar. “O pré-sal nos coloca entre os quatro maiores produtores de petróleo do mundo e poderemos chegar ao lugar de maior produtor.

É muita coisa. O mundo todo está estatizando as reservas de petróleo, porque esse  é um bem estratégico. Então, as empresas privadas não têm mais para onde ir, por isso estão vindo com tudo na maior descoberta mundial, que é o pré-sal”, afirmou.

A coordenadora destaca que a lei atual determina que uma parte dos recursos oriundos do pré-sal seja reservado para o financiamento de programas sociais, saúde e educação.

“Aí, eles vêm e colocam um teto para o gasto público, inclusive exigindo isso dos estados. Ou seja, já cortaram novos investimentos, benefícios, salários de servidores e proteção social, nesse momento de crise. E alegam que é porque não há dinheiro. Então, como querem entregar pré-sal para as multinacionais? Não faz sentido”.

Segundo o presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil de São Paulo (CTB São Paulo) e um dos coordenadores da Frente Brasil Popular, Onofre Gonçalves, a Petrobras e o pré-sal estão ameaçados pelo projeto de lei aprovado no Senado em fevereiro, que desobriga a Petrobras de ser operadora única e ter participação de 30% na exploração.

O texto, de autoria do então senador José Serra, agora ministro de Relações Exteriores, já foi encaminhado à Câmara dos Deputados.

“Parece que o governo está priorizando uma votação na Câmara para aprovar esse projeto. Estamos muito preocupados com isso, porque pensamos que a Petrobras é o maior patrimônio brasileiro, maior empresa, que emprega milhares de trabalhadores, e que defende, de fato, o investimento no nosso país. Não podemos aceitar uma proposta dessas, que vai tirar recursos dos programas sociais”, disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.