Brasil

Governo Tarcísio autoriza licitação para privatizar gestão de 33 escolas

Concessão será dividida em dois lotes e terá prazo de 25 anos

Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo (Gilberto Marques/Governo do Estado de SP/Divulgação)

Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo (Gilberto Marques/Governo do Estado de SP/Divulgação)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 12 de junho de 2024 às 17h24.

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), autorizou a abertura de uma licitação para a gestão de 33 novas escolas de Ensino Médio e Ensino Fundamental II no estado pelo modelo de parceria público-privada (PPP). De acordo com o decreto publicado no Diário Oficial, o prazo da concessão será de 25 anos.

O governo do estado informou que as empresas selecionadas serão responsáveis por prestar serviços não pedagógicos, como construção, manutenção, conservação, gestão e operação das unidades escolares.

Os serviços englobam manutenção geral, limpeza, vigilância e portaria, alimentação, jardinagem e controle de pragas, além de apoio aos alunos que necessitam de assistência para acessar as instalações escolares.

As unidades de ensino serão construídas em 29 cidades e vão oferecer 35,1 mil vagas de tempo integral na rede estadual de Ensino Fundamental II e Médio. Os investimentos serão de R$ 2,1 bilhões ao longo dos 25 anos da concessão.

As novas escolas terão três modelos, de 21 salas de aula, 28 salas de aula e 35 salas de aula. Além disso, a estrutura contará com ambientes integrados e interligados, uso interativo de tecnologia, auditório de múltiplo uso, ampliação de espaços esportivos e culturais, espaços de vivência, espaços para estudo individualizado e espaços de inovação.

Como será as PPPs de escolas em São Paulo

A concessão será dividida em dois lotes. O primeiro, denominado Lote Oeste, prevê a construção de 17 escolas nos municípios de Araras, Bebedouro, Campinas, Itatiba, Jardinópolis, Lins, Marília, Olímpia, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Claro, São José do Rio Preto, Sertãozinho e Taquaritinga.

Já o Lote Leste incluirá 16 unidades de ensino a serem construídas em Aguaí, Arujá, Atibaia, Campinas, Carapicuíba, Diadema, Guarulhos, Itapetininga, Leme, Limeira, Peruíbe, Salto de Pirapora, São João da Boa Vista, São José dos Campos, Sorocaba e Suzano.

Por outro lado, a fiscalização dos serviços concedidos ficará a cargo da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp).

Acompanhe tudo sobre:sao-pauloEstado de São PauloTarcísio Gomes de FreitasEducaçãoPrivatização

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame