• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Economist: Bolsonaro minou fortalezas do Brasil contra a covid-19

A revista britânica afirma que o Brasil perdeu vantagens que tinha no começo da pandemia, como amplitude do SUS e descentralização das decisões federais
Hospital de campanha contra a covid-19 em SP: revista britânica The Economist critica o fato de medidas contra o coronavírus terem se tornado assunto "polêmico" no Brasil (Reuters/Amanda Perobelli)
Hospital de campanha contra a covid-19 em SP: revista britânica The Economist critica o fato de medidas contra o coronavírus terem se tornado assunto "polêmico" no Brasil (Reuters/Amanda Perobelli)
Por Da RedaçãoPublicado em 29/05/2020 09:28 | Última atualização em 29/05/2020 10:10Tempo de Leitura: 5 min de leitura

A revista britânica The Economist, uma das mais conceituadas publicações de economia e liberalismo econômico no mundo, publicou em sua última edição uma reportagem sobre a situação da pandemia no Brasil, que intitulou como uma "tragédia tropical".

Na reportagem, a revista afirma que o Brasil "está perdendo a batalha" contra o coronavírus e criticou a falta de coordenação entre o presidente Jair Bolsonaro e governadores e prefeitos no combate à pandemia.

"O país entrou na pandemia com algumas vantagens. Por causa de Jair Bolsonaro, as está desperdiçando", diz o texto.

O Brasil tem hoje 438.238 casos confirmados e 26.754 óbitos de coronavírus, pouco mais de 25.000 casos e 1.000 óbitos a mais do que quando a Economist escreveu o texto. Também é citado um estudo da Universidade Federal de Pelotas, feito em parceria com o Ministério da Saúde, que afirma que o Brasil pode ter sete vezes mais casos de coronavírus do que os confirmados.

A revista britânica afirma que a curva de casos de covid-19 no Brasil se assemelha a "uma pipa" devido ao rápido crescimento, e lembra que a Organização Mundial da Saúde decretou a América do Sul como novo epicentro da pandemia no mundo, em grande parte devido à crescente de casos no Brasil.

A Argentina, segundo maior país da região, tem 14.702 casos e 508 mortes. São Paulo, com população próxima à da Argentina (na casa dos mais de 40 milhões de habitantes), tem mais de 95.000 casos e 6.980 óbitos, segundo o boletim do Ministério da Saúde desta quinta-feira, 28.

Dentre as "vantagens" que a Economist considera que o Brasil tinha no começo da pandemia está a abragência do Sistema Único de Saúde (SUS), que é universal e gratuito e inspirado no NHS britânico.

A Economist também elogiou o sistema político brasileiro que permite que governadores decretem quarentena e restrições, o que fez com que a maior parte dos estados brasileiros fechasse o comércio não essencial logo no fim de março, reduzindo o crescimento da curva de casos naquele momento.

Contudo, a ação rápida não foi acompanhada por novas medidas e por uma boa comunicação dos governos com a população, diz a publicação, que aponta o desrespeito à quarentena por parte da população.

Atualmente, a taxa de isolamento brasileira é de 41,2%, segundo a startup de monitoramento de geolocalização In Loco. Em abril, mesmo com todos os estados em quarentena, o isolamento ficou abaixo de 50% em quase todos os dias úteis.

O texto também levanta os impactos da pandemia entre a população mais pobre, que tem menos acesso ao sistema de saúde e a condições de isolamento.

"Quanto mais fraco é o sistema de saúde, mais ele precisa de proteção de lockdowns rigorosos. Mas o Sr. Bolsonaro fez deles um assunto polêmico", escreve a The Economist.

A reportagem cita as vezes em que o presidente aparece em "protestos semanais em Brasília" que são "contra quarentenas" e aponta que, em vez de aplaudir os profissionais de saúde das janelas — como se tornou comum em países europeus —, a covid-19 virou sinal de conflito e polarização para os brasileiros.

Apesar da liberdade de governadores decretarem medidas em seus estados, a Economist avalia que o "a atitude do Sr. Bolsonaro causa mais danos" porque o sistema federalista do Brasil é mais centrado no presidente do que o dos Estados Unidos, por exemplo.

A revista afirma que Bolsonaro "crítica o establishment médico e os conselhos dados por eles" e lembra que dois ministros da Saúde, ambos médicos, saíram do governo desde o começo da crise -- primeiro o ministro Luiz Henrique Mandetta e, em seguida, Nelson Teich, que ficou menos de um mês no cargo.

Ambos foram pressionados pelo presidente a ampliar o protocolo de uso de remédios à base de cloroquina e hidroxicloroquina, substâncias que começaram a ser testadas contra o coronavírus mas cujos testes não evoluíram.

O presidente americano, Donald Trump, também defendeu largamente as substâncias. Nesta semana, a OMS cancelou um teste que faria com hidroxicloroquina e governos de Bélgica, França e Itália interromperam seu uso em tratamentos de covid-19.

O texto da Economist cita ainda como ponto negativo a falta de coordenação entre as esferas estaduais, municipais e federais no combate à pandemia.

Como sinal da polarização gerada por essas desavenças, a revista cita uma fala do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de que implementar um lockdown "significaria um confronto claro com milhões de brasileiros" que apoiam Bolsonaro.

O estado de São Paulo vinha sendo pressionado a decretar um lockdown, sobretudo na região metropolitana, como fizeram estados como Maranhão e Ceará. Após um feriado antecipado neste mês, que a Economist cita na reportagem, o governo estadual anunciou nesta semana medidas para flexibilizar a quarentena na qual entrou no fim de março.

As regiões serão divididas em grupos com regras diferentes para cada um a depender de fatores como o número de leitos disponíveis e o número de novos casos e óbitos.

A capital paulista, epicentro do coronavírus no Brasil e com mais da metade dos casos de todo o estado, está no grupo 2, de modo que poderia começar a abertura de parte do comércio não-essencial.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) disse ontem que faltam alguns protocolos a serem aprovados antes que a flexibilização comece, mas, ainda assim, não negou que a reabertura deve acontecer nas próximas semanas.

Para a Economist, estados mais ricos, como São Paulo, estão conseguindo lidar melhor com a pandemia, ao contrário de casos como na região Norte, em que o número de casos subiu em estados como Pará e Amazonas.