Brasil

Chuvas fortes atingem o RS mais uma vez e causam novos alagamentos

Em Porto Alegre, enchentes alcançaram locais que até o momento não haviam sido atingidos pela água

Publicado em 24 de maio de 2024 às 08h30.

Última atualização em 24 de maio de 2024 às 12h56.

As chuvas voltaram a cair de forma volumosa em Porto Alegre (RS). Desde a madrugada de quinta-feira, 23,  autoridades e moradores da capital do Rio Grande do Sul (RS) estão vendo a água retornar a lugares onde ela já havia escoado. Além disso, agora locais que não haviam sido atingidos pelas primeiras enchentes, também estão sendo alagados. 

 Segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden)o volume de chuva em 15 horas ultrapassou os 100 milímetros na Zona Sul da capital. Ao falar sobre o assunto, o prefeito Sebastião Melo (MDB) fez questão de afirmar que a chuva não pegou de surpresa a capital. "A prefeitura não foi pega de surpresa, nós sabíamos que ia chover. Mas, agora, a quantidade de chuva foi excessivamente forte", disse.

Novos lugares atingidos

Nas regiões que ainda não haviam sido afetas, a água subiu pelos bueiros, como no caso das ruas Lima e Silva, na Cidade Baixa, Zona Sul da cidade. O problema também chegou na Zona Norte, levando mais água a pontos da cidade que já estavam secos. Foi o caso de parte da Avenida Brasil. 

Mesmo com esse cenário preocupante,o diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), Maurício Loss, negou um "colapso" no sistema de drenagem de Porto Alegre. De acordo com ele, o barro levado pelas cheias das últimas semanas secoutrancando as galerias pluviais, que funcionam no escoamento da água da chuva.

No centro da cidade, o shopping Praia de Belas, que já tinha sido reaberto, fechou mais uma vez na quinta-feira, 23, por causa da elevação da água nas regiões que dão acesso ao local.

Trabalhos prejudicados

O Exército também teve seu trabalho prejudicado com o retorno das chuvas. Duas passarelas flutuantes usadas pelos militares foram levadas pela força da correnteza no interior do RS, na quinta-feira, 23. Uma delas atravessava o Rio Forqueta, entre Arroio do Meio e Lajeado, no Vale do Taquari, enquanto a segunda stava localizada no Rio Pardo, em Candelária, Vale do Rio Pardo.

Alerta de tempestades

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu dois alertas para o Sul. Um um de tempestade com grau de "Perigo" e outro de declínio de temperatura com grau de "Perigo Potencial" que também se estende para outras regiões, incluindo São Paulo e Rio de Janeiro. As cidades mais afetadas incluem Caxias do Sul, Erechim, Passo Fundo, Florianópolis, Joinville, Blumenau, Guarapuava, Cascavel e Umuarama. Há risco de queda de granizo, corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e alagamentos.

O Inmet também emitiu um alerta para chuvas intensas, ventos costeiros e vendavais na região sul do país. Esses ventos terão uma intensificação especialmente nas áreas litorâneas, podendo movimentar dunas de areia sobre construções na orla. As áreas afetadas incluem a Metropolitana de Porto Alegre, Sul Catarinense e Sudeste Rio-grandense.

Quanto à chuva, são esperadas precipitações intensas entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia, acompanhadas de ventos fortes (40-60 km/h), com término previsto para as 23h59min desta sexta-feira. As áreas afetadas abrangem o Sudoeste, Noroeste e Centro Ocidental Rio-grandense, juntamente com a Metropolitana de Porto Alegre e outras regiões do estado. O risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas é considerado baixo. O alerta estende-se até 12h00min desta sexta-feira.

A Defesa Civil do estado do RS também emitiu um alerta para risco de inundação, especificamente relacionado ao Rio Jacuí, com elevação prevista a partir de Dona Francisca. Em decorrência desse aumento nos níveis do rio, nas próximas 24 horas, há possibilidade de alcançar as regiões ribeirinhas e áreas anteriormente alagadas em Cachoeira do Sul e Rio Pardo.

Maiores acumulados de chuva nas últimas 24 horas

CEMADEN

Viamão: 123,6 mm
Porto Alegre: 114,1 mm
Gravataí: 100,4 mm
Alvorada: 97,4 mm
Ijuí: 94,8 mm
Sapucaia Do Sul: 93,14 mm
Canoas: 92,2 mm
Bom Princípio: 88,4 mm
Candelária: 88,2 mm
Lajeado: 86,8 mm
Teutônia: 84,8 mm
Cruzeiro Do Sul: 80,8 mm
Novo Hamburgo: 76,63 mm
Segredo: 74,6 mm
Encruzilhada Do Sul: 70,2 mm
Arroio Do Tigre: 67,2 mm
Santa Maria: 66 mm
Lagoa Bonita Do Sul: 64,6 mm
Caçapava Do Sul: 63 mm
Alto Feliz: 61,4 mm
Capão Do Leão: 61,2 mm
Cachoeira Do Sul: 58,8 mm
Nova Palma: 58,4 mm
Soledade: 56,8 mm
Fontoura Xavier: 55,8 mm
Igrejinha: 54,92 mm
Faxinal Do Soturno: 54,2 mm
Santa Rosa: 50,4 mm

INMET

Porto Alegre- Belém Novo: 119,0 mm
Porto Alegre - Jardim Botânico: 111,0 mm
Tramandaí: 83,0 mm
Ibirubá: 80,4 mm
Santiago: 79,2 mm
Campo Bom: 75,6 mm
Rio Pardo: 72,8 mm
São Vicente Do Sul: 68,8 mm
Soledade: 62,8 mm
Santa Maria: 59,8 mm
Capão Do Leão (Pelotas): 55,0 mm
Cruz Alta: 53,0 mm
Caçapava Do Sul: 52,2 mm
Canguçu: 50,8 mm

Acompanhe tudo sobre:EnchentesEnchentes no RSRio Grande do SulExércitoClima

Mais de Brasil

Chuvas no RS: 74 municípios sofreram danos por alagamentos e deslizamentos nos últimos 10 dias

UPA: o que você precisa saber para ser atendido

Passaporte brasileiro: quanto custa e como tirar

Datena vai sair de férias e tirar licença para disputar as eleições, diz presidente do PSDB de SP

Mais na Exame