Brasil

Chuvas no Rio Grande do Sul: veja previsão, como doar e as principais perguntas e respostas

Em boletim da Defesa Civil Estadual, subiu para 83 o número de mortos na tragédia e para 111 a contagem de desaparecidos

Chuvas no Rio Grande do Sul: estado sofre com enchentes e deslizamentos (Ricardo Stuckert/Brazilian Presidency/AFP)

Chuvas no Rio Grande do Sul: estado sofre com enchentes e deslizamentos (Ricardo Stuckert/Brazilian Presidency/AFP)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de maio de 2024 às 14h34.

Última atualização em 7 de maio de 2024 às 17h06.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

O Rio Grande do Sul enfrenta o pior desastre climático de sua história, atingido há uma semana por fortes chuvas. Dois terços do Estado - ou 345 municípios - foram impactados pelos temporais e várias regiões gaúchas ainda têm pontos ilhados, estradas bloqueadas e moradores à espera de resgate. Centenas de milhares estão sem luz e água.

Em boletim da Defesa Civil Estadual na manhã desta segunda-feira 6, subiu para 83 o número de mortos na tragédia e para 111 a contagem de desaparecidos. No total, há quase 5 mil militares e civis envolvidos na força-tarefa de resgate às vítimas das enchentes.

Diante da situação, o governo federal reconheceu calamidade pública nas cidades afetadas e prepara junto com o Congresso um "orçamento de guerra" para o Estado.

Por quanto tempo vai continuar chovendo?

De acordo com meteorologistas da MetSul, a chuva deve dar trégua em um grande número de cidades gaúchas nesta segunda-feira. Haverá predomínio de sol e calor na maior parte do Estado nesse início de semana, com exceção do extremo sul, onde há previsão de chuva com raios em diferentes pontos.

A partir de quarta-feira, 8, porém, uma frente fria avança e pode voltar a chover na maior parte do Rio Grande do Sul. Instabilidades são previstas ainda para sexta, 10, e sábado, 11.

Quais barragens têm risco de rompimento?

Monitoramento do governo estadual atualizado no domingo, 5, aponta que seis barragens estão em situação de emergência e têm perigo de ruptura iminente. Uma delas, pertencente à Usina Hidrelétrica 14 de julho, entre Catiporã e Bento Gonçalves, já rompeu parcialmente e continua sob risco.

As outras unidades sob emergência são a PCH Salto Forqueta, que teve sua margem direita danificada por deslizamentos, e as barragens de São Miguel, SDR, Saturnino de Brito e Arroio Barracão.

A situação de outras 12 barragens também demanda providências de manutenção e monitoramento constante devido às condições de segurança, sendo classificadas nos níveis de alerta e atenção pelas autoridades responsáveis.

Como fazer doações e ajudar as vítimas?

Cerca de 850 mil pessoas foram afetadas pela sequência de temporais que atingiu o Rio Grande do Sul. Entre elas, 121 mil estão desalojadas e quase 20 mil estão em abrigos públicos.

A Defesa Civil estadual está recebendo doações de colchões (novos ou em bom estado), roupas de cama e banho, cobertores, água potável, ração animal e cestas básicas fechadas para apoio às vítimas. O material deve ser encaminhado ao centro logístico do órgão, na Avenida Joaquim Porto Villanova, 101, em Porto Alegre.

No momento, o centro não está recebendo roupas e calçados, medicamentos ou móveis. Os interessados em contribuir com refeições prontas (marmitas) deverão fazer contato prévio com a Defesa Civil do município que pretendem ajudar.

Já as doações em dinheiro devem ser enviadas para a conta SOS Rio Grande do Sul, vinculada ao Banco Banrisul, pela chave Pix 92.958.800/0001-38 (CNPJ). O canal é o mesmo utilizado pelo governo gaúcho no ano passado, e o recurso deve ser empregado no apoio às vítimas e reconstrução da infraestrutura das cidades.

Desde que foi reativada, a conta já arrecadou R$ 38,2 milhões. O governo também disponibilizou contas para doações internacionais em euro, dólar americano e libras esterlinas.

Quais são os principais pontos de alagamento?

Mesmo com a trégua nas chuvas, cidades inteiras seguem tomadas pelas águas de rios e lagos. Em São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre, o Rio do Sinos ultrapassou o nível de oito metros.

Dos mais de 200 mil habitantes, cerca de 150 mil estão desalojados ou desabrigados. Segundo o prefeito Ary Vanazzi (PT) essa é a maior enchente da cidade em 83 anos.

A situação se repete em Canoas, a 18 quilômetros da capital gaúcha. Conforme o prefeito Jairo Jorge (PT), 80 mil casas foram atingidas. Milhares de moradores de bairros como Mathias Velho, Fátima, Rio Branco e Harmonia tiveram de ser resgatados dentro da água por cordões humanos formados por voluntários, em embarcações dos bombeiros e até em aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB).

Segundo meteorologistas, a pior fase das tempestades já passou no Vale do Taquari, na Serra Gaúcha e no centro do Estado, onde os níveis das águas têm baixado de forma contínua.

A situação mais crítica se concentra hoje em Porto Alegre e na região metropolitana , conforme avaliação da MetSul. No Cais Mauá, no centro histórico da capital gaúcha, o Rio Guaíba atingiu a marca histórica de 5,33 metros, tomando as ruas da região e interrompendo diferentes serviços na cidade.

No domingo, 5, a Secretaria de Educação definiu que as aulas da rede estadual serão retomadas a partir de terça, 7, nas regiões menos afetadas pelos temporais. São elas Uruguaiana, Osório, Erechim, Rio Grande, Palmeira das Missões, Três Passos, São Luiz Gonzaga, São Borja e Ijuí. Nas demais áreas do Estado, ainda não há definição sobre retorno das atividades escolares.

Há previsão para a água baixar?

A cheia do Rio Guaíba, que inunda ruas de Porto Alegre, deve levar dias para retornar a patamares seguros. Embora tenha evitado um desastre maior, o sistema antienchente da cidade está em seu limite e, em alguns pontos, já não dá conta de conter as águas do rio.

No domingo, o Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) informou que há previsão de "cheia duradoura, com a estabilização dos níveis d'água elevados no Guaíba em torno de 5m a 5,5m durante mais de quatro dias", mesmo que não persistam os temporais.

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulChuvasEnchentes no RS

Mais de Brasil

Quem é Mello Araújo, anunciado como vice de Nunes em São Paulo

Lula anuncia R$ 194 milhões para construção de 1,3 mil casas no Piauí

Justiça Federal homologa acordo para preservação da Cinemateca

Nunes e Tarcísio confirmam ex-chefe da Rota indicado por Bolsonaro como vice

Mais na Exame