EXAME Agro

Por que a indústria do chocolate está uma 'bagunça'? Entenda as principais causas

Preços futuros atingiram o dobro do pico anterior estabelecido na década de 1970

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 18 de abril de 2024 às 10h29.

Passada a Páscoa e os preços salgados, a pergunta permanece: por que o chocolate está tão caro?

Segundo a Bloomberg, no início de março, os preços já haviam mais do que dobrado em um período de apenas 12 meses. Todos os sinais apontavam para um déficit maciço: o mundo havia desfrutado de chocolate barato por décadas, as árvores estavam mais velhas e as doenças arrasaram plantações nos países da África Ocidental que fornecem cerca de metade do mercado mundial.

Um pouco de clima ruim foi o ponto de inflexão para a produção da Costa do Marfim e de Gana, os dois maiores produtores do mundo. Muitos comerciantes agora temem que a produção desses produtores tenha entrado em um retrocesso de longo prazo. Os preços futuros subiram rapidamente cerca de 70% desde o início de março, atingindo um recorde nesta semana.

Para os fabricantes mundiais de chocolate, a crise chegou. As fábricas foram forçadas a fechar, desde a Malásia até a Alemanha. As empresas começam a se enrolar em processos judiciais. E agora, a falta de liquidez também significa que o próximo estágio do mercado provavelmente será repleto de movimentos erráticos de preços que levantam o espectro de falências, diz a Bloomberg.

Os mercados de commodities são notoriamente voláteis, mas a velocidade e a gravidade da alta do cacau surpreenderam até mesmo os operadores de mercado experientes e provocaram o caos em toda a cadeia de suprimento global da safra - desde os agricultores em dificuldades da África Ocidental até os corretores de commodities europeus e os fabricantes de doces dos EUA.

Nesta semana, os preços futuros atingiram o recorde de US$ 10.760 por tonelada, um nível que antes seria impensável para a maioria dos traders e que é aproximadamente o dobro do pico anterior estabelecido na década de 1970. Antes dessa alta, o mercado de Nova York havia permanecido em grande parte abaixo de US$ 3.500 desde a década de 1980

O Citigroup prevê que os preços subam para até US$ 12.500 nos próximos meses.

A negociação dos preços futuros de cacau atingiu níveis historicamente baixos, com uma medida da quantidade de contratos em aberto caindo para o nível mais baixo em 12 anos. O mercado agora está preso entre a extrema escassez de safra e a liquidez perigosamente baixa.

Acompanhe tudo sobre:ChocolateExame-Agro

Mais de EXAME Agro

Conab suspende leilão para compra de arroz; ministro diz que Mercosul elevou preço do grão em 30%

Conciliar proteção ambiental e produção agropecuária depende de maior transparência pública

Exportações do agronegócio alcançam recorde de US$ 15,24 bilhões em abril

Mais valioso do que ouro: conheça o mel de abelhas sem ferrão, que chega a custar R$ 1.300 o litro

Mais na Exame