Onda de calor na China eleva preços porque galinhas põem menos ovos

Várias cidades chinesas registraram os dias mais quentes de sua história este ano, causando queda na produção
Galinhas: animais estão colocando menos ovos por conta de onda de calor na China (Michael Dalder/Reuters)
Galinhas: animais estão colocando menos ovos por conta de onda de calor na China (Michael Dalder/Reuters)
A
AFPPublicado em 17/08/2022 às 08:14.

O clima escaldante no leste da China provocou o aumento dos preços dos ovos, já que as galinhas estão colocando menos ovos em um verão mais quente do que o normal, informou a imprensa local.

Várias cidades chinesas registraram os dias mais quentes de sua história este ano, o que levou o observatório nacional do país a emitir um alerta vermelho na segunda-feira.

A onda de calor não estressa apenas os humanos. Os animais também sofrem.

Acompanhe de perto as notícias do agronegócio com a EXAME. Assine por menos de R$ 0,37/dia.

Na cidade de Hefei, os agricultores relataram uma queda na produção de ovos devido ao calor, de acordo com o jornal Jianghuai Morning News, que acrescentou que algumas fazendas instalaram sistemas de refrigeração.

A queda na produção em várias províncias provocou um aumento no preço dos ovos.

Em Hefei, capital provincial de Anhi, o preço subiu 30% e altas semelhantes foram registradas nas cidades de Hangzhou e Hai'an, segundo a mídia local. Hefei registrou 14 dias de temperaturas acima dos 38 ºC, indicou o Hefei Evening News, que apontou que é um recorde.

A exposição sustentada a temperaturas extremas pode exacerbar o declínio na produção animal, incluindo leite e ovos, de acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA.

LEIA TAMBÉM: Calor e seca recorde na França colocam leite em risco e afetam agricultura

O número de galinhas poedeiras não caiu na China, mas elas comem menos em dias quentes, acrescentou o Qianjiang Evening News.

Além de impactar a produção avícola, a onda de calor impôs o racionamento de energia em Sichuan, centro produtor de lítio, devido ao aumento da demanda energética.

Na província de Jiangxi, atingida por uma seca severa, 11.000 pessoas têm dificuldade de acesso à água potável, enquanto mais de 140.000 hectares de plantações foram danificados, segundo a agência de notícias oficial Xinhua.

LEIA TAMBÉM: Por que os Estados Unidos podem ficar sem ketchup em breve