• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Ministro defende voo doméstico por empresas estrangeiras

O ministro do Turismo, Gastão Vieira, disse que a ideia do ministério é que empresas de qualquer nacionalidade possam operar voos dentro do Brasil

	Aviões da Alitalia e Air France: o objetivo é aumentar a oferta de assentos no segmento doméstico para forçar uma queda nos preços das passagens.
 (Charles Platiau/Reuters)
Aviões da Alitalia e Air France: o objetivo é aumentar a oferta de assentos no segmento doméstico para forçar uma queda nos preços das passagens. (Charles Platiau/Reuters)
Por Glauber GonçalvesPublicado em 21/01/2013 14:43 | Última atualização em 21/01/2013 14:43Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Rio de Janeiro - O ministro do Turismo, Gastão Vieira, defendeu, nesta segunda-feira, a abertura do mercado brasileiro de aviação civil para que empresas estrangeiras operem voos domésticos no País. "Essa ideia tem sido defendida pelo presidente da Embratur, Flávio Dino, e conta com o apoio do ministério", afirmou depois de visitar o teleférico do Complexo do Alemão, no Rio.

De acordo com ele, a proposta do ministério - ainda sem prazo para ser levada ao governo - é mais ampla que a da Embratur, que defende a abertura desse mercado apenas para as companhias aéreas da América do Sul. Vieira disse que a ideia do ministério é que empresas de qualquer nacionalidade possam operar voos dentro do Brasil.

O objetivo, segundo ele, é aumentar a oferta de assentos no segmento doméstico para forçar uma queda nos preços das passagens e fomentar o turismo interno. Atualmente, porém, as principais companhias aéreas brasileiras têm cortado oferta. "O grande problema é aumentar a oferta. Pela lei de mercado, isso faz diminuir o preço", declarou. O ministro afirmou ainda que, apesar to atual cenário de restrição de voos, as empresas nacionais assumiram o compromisso de aumentar a oferta em 20% nos próximos três anos e estender a cobertura para mais 22 cidades.