Tecnologia
Acompanhe:

Microsoft vai investir mais US$ 10 bilhões na criadora do ChatGPT

O investimento da Microsoft “nos permitirá continuar nossa pesquisa independente e desenvolver uma IA cada vez mais segura, útil e poderosa”, disse a OpenAI em comunicado

OpenAI: o ChatGPT e o DALL-E estão entre os sistemas de inteligência artificial mais populares e avançados (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

OpenAI: o ChatGPT e o DALL-E estão entre os sistemas de inteligência artificial mais populares e avançados (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

D
Dina Bass, da Bloomberg

Publicado em 23 de janeiro de 2023, 14h07.

Última atualização em 23 de janeiro de 2023, 14h26.

A Microsoft vai investir mais US$ 10 bilhões ao longo de vários anos na OpenAI, o laboratório pioneiro de pesquisa em inteligência artificial por trás do ChatGPT e DALL-E.

Embora a Microsoft não tenha divulgado o valor de seu investimento ao anunciar-lo na segunda-feira, uma pessoa familiarizada com as questões disse que o montante será de US$ 10 bilhões em vários anos.

O investimento da Microsoft “nos permitirá continuar nossa pesquisa independente e desenvolver uma IA cada vez mais segura, útil e poderosa”, disse a OpenAI em comunicado. 

O ChatGPT e o DALL-E estão entre os sistemas de inteligência artificial mais populares e avançados. A Microsoft, que investiu US$ 1 bilhão na OpenAI em 2019, busca uma vantagem competitiva para saltar à frente da Alphabet, Amazon e Meta na corrida para dominar este mercado em rápido crescimento. 

A OpenAI precisa do financiamento da Microsoft e de seu poder de computação em nuvem para processar grandes volumes de dados e executar os modelos cada vez mais complexos que permitem ao DALL-E gerar imagens realistas com base em um intuitivo de palavras, e ao ChatGPT de criar textos surpreendentemente semelhantes aos de humanos em resposta a solicitação ou consultas.

O ChatGPT virou sensação na internet desde seu lançamento no final de novembro, reunindo 1 milhão de usuários em menos de uma semana.

Sua capacidade de imitar a maneira como as pessoas falam e escrevem despertou preocupação sobre seu potencial de suplantar escritores profissionais e fazer a lição de casa de alunos por eles. A ferramenta também foi considerada uma ameaça potencial ao principal negócio de busca do Google.