Tecnologia

LG anuncia novas smart TVs da linha QNED com mini LED e pontos quânticos

A sul-coreana também renovou a família de televisores OLED em busca de crescimento no mercado global

LG QNED: TVs utilizam tecnologia chamada de Mini LED (EXAME/Divulgação)

LG QNED: TVs utilizam tecnologia chamada de Mini LED (EXAME/Divulgação)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 11 de janeiro de 2021 às 11h04.

Última atualização em 11 de janeiro de 2021 às 13h28.

Logo antes do início da CES, maior evento de tecnologia do mundo, a sul-coreana LG anunciou hoje (11) suas novas TVs para 2021. O destaque é a nova linha de TVs chamadas QNED, que contam com pontos quânticos na tela, como faz a rival e líder de mercado global Samsung.

Os aparelhos da linha QNED contam com uma tecnologia chamada de MiniLED, que consiste em pequenas luzes LED que iluminam o painel por si mesmas, o que oferece precisão de controle de iluminação. São aproximadamente 30 mil mini LEDs por tela para melhorar a fidelidade de cores, brilho e contraste de imagens em relação à geração passada de produtos da LG e ao padrão de mercado de telas LCD retroiluminadas por LED.

Assim como a linha QLED, da Samsung, as TVs QNED têm película de pontos quânticos para oferecer 99% das cores da Adobe. As opções de TVs com telas grandes serão de 65 e 85 polegadas.  Ainda não há previsão de lançamento das novas TVs no mercado brasileiro.

OLED Evo

A principal linha de TVs da LG ganhou novidades na conferência que antecede a CES 2021. Chamada OLED Evo, a família de televisores premium continuam com o painel de pixels orgânicos que se autoiluminam e contam agora com o novo processador A9 que executa um algoritmo de inteligência artificial para melhoria de imagens. Fora isso, para games, as TVs têm compatibilidade com a tecnologia G-Sync, da Nvidia, para evitar quebra de renderização de imagens de jogos e também são capazes de reproduzir jogos em resolução 8K a 60 quadros por segundo.

Os aparelhos da linha OLED Evo virão com uma tecnologia de regulagem automática de volume para regularizar o som em mudanças de canais.

Os televisores da LG também terão o aplicativo de streaming de jogos Google Stadia e o aplicativo da plataforma de vídeos ao vivo Twitch, que pertence à Amazon é é muito usada para transmissões de jogos de videogame.

A sul-coreana também apresentou um novo suporte para a sua Gallery TV, que exibe obras de arte na tela. O suporte é chamado de Gallery Stand e é uma alternativa à instalação da TV na parede.

As novas tecnologias da LG buscam aumentar sua participação de mercado. Segundo a consultoria Omdia (antiga IHS Markit), a concorrente também sul-coreana Samsung lidera o mercado global há 15 anos consecutivos.

Segundo a consultoria, o mercado global de TV cresceu 11,8% em 2020 (segundo dados até o terceiro trimestre), atingindo faturamento de 28,1 bilhões de dólares. Em termos de volume de vendas, o setor comercializou 62,87 milhões de unidades no período, o que representa uma alta de 14,7% em relação ao ano anterior. Dados da consultoria GfK indicam que, de janeiro a novembro, o mercado brasileiro de televisores cresceu 1% em quantidade de produtos vendidos, e aumentou 13% em faturamento em relação ao mesmo período em 2019.

Para Arthur Igreja, autor do livro “Conveniência é o Nome do Negócio” e professor convidado da FGV, os lançamentos da LG para a CES ajudam a companhia a se tornar mais competitiva no mercado global. "A LG é uma grande concorrente da Samsung, ambas vêm do mesmo país, então existe essa competição acirrada. E com esse novo lançamento, ela propõe o melhor dos dois mundos. As TVs OLEDs têm uma definição de cores escuras, um grande trunfo do plasma, mas com o brilho e o consumo energético do LCD, tanto nas versões 4K como 8K. A OLED sido a linha mais elogiada pelos gamers, que são muito exigentes com a taxa de atualização da tela, definição de cores e sistema de som", afirma Igreja à EXAME.

CES 2021

Acompanhe tudo sobre:LGSamsungSmart TVsTVs

Mais de Tecnologia

Internet lenta: só uma em cada 10 escolas públicas tem internet com 1 Mbps

China cria fundo de US$ 47 bilhões para buscar autossuficiência em semicondutores

Elon Musk recebe mais de R$ 30 bilhões para desafiar OpenAI

Influenciadores são banidos na China por "ostentação excessiva"

Mais na Exame