Tecnologia

IPCC reitera que ação humana é causa do aquecimento global

Segundo o documento, há 95% de probabilidade de que mais da metade da elevação média da temperatura da Terra entre 1951 e 2010 tenham sido causadas pelo homem


	Aquecimento global:  os gases de efeito estufa contribuíram para o aquecimento entre 0,5 e 1,3 grau Celsius (ºC) no período entre 1951 e 2010
 (NASA)

Aquecimento global:  os gases de efeito estufa contribuíram para o aquecimento entre 0,5 e 1,3 grau Celsius (ºC) no período entre 1951 e 2010 (NASA)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de março de 2014 às 19h15.

Brasília - No final de setembro, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) divulgou relatório mostrando que a influência humana no clima é a principal causa do aquecimento global observado desde meados do século 20.

O Sumário para os Formuladores de Políticas do Grupo de Trabalho 1 do IPCC informou que o aumento das temperaturas é evidente e cada uma das últimas três décadas tem sido sucessivamente mais quente.

Segundo o documento, há 95% de probabilidade de que mais da metade da elevação média da temperatura da Terra entre 1951 e 2010 tenham sido causadas pelo homem. Os gases de efeito estufa contribuíram para o aquecimento entre 0,5 e 1,3 grau Celsius (ºC) no período entre 1951 e 2010.

Informações do relatório ressaltam que, até o fim do século 21, há pelo menos 66% de chances de a temperatura global se elevar pelo menos 2ºC em comparação com o período entre 1850 e 1900.

A mudança na temperatura da superfície da Terra no final do século 21 pode exceder 1,5ºC no melhor cenário e, provavelmente, deve exceder 2ºC nos dois piores cenários. Na perspectiva mais pessimista, a temperatura pode alcançar 4,8ºC até 2100.

“Há poucas surpresas no relatório, mas o aumento da certeza sobre muitas das observações dos cientistas apenas valida aquilo que observamos ao nosso redor.Desde que o IPCC lançou o seu último grande relatório, em 2007, a perda de massas de gelo terrestre e o aumento do nível dos oceanos se aceleraram de forma dramática, principalmente no verão ártico, onde a perda de gelo é maior do que a projetada anteriormente. Concluiu-se também que a última década foi a mais quente desde 1850,” disse a líder da Iniciativa Global de Clima e Energia da rede WWF, Samantha Smith.

Segundo ela, a comunidade internacional não pode ignorar essa realidade e precisa agir, caso contrário, terá que enfrentar impactos assustadores.

“Sabemos que a maior parte das emissões de gases que causam o aquecimento global vem da queima de combustíveis fósseis. A rede WWF demanda dos governos e investidores que parem de investir em energia suja e que passem a uma transição imediata para investimentos em energias renováveis e sustentáveis,” concluiu Samanta.

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento globalClimaIPCCMeio ambiente

Mais de Tecnologia

CEO do Spotify confirma que assinatura "deluxe" com áudio de alta fidelidade chegará em breve

CrowdStrike: o bug em mecanismo de segurança que causou o apagão cibernético

Apple TV+ faz em um mês audiência que a Netflix faz em um dia

Alphabet registra lucro líquido de US$ 23,6 bilhões no segundo trimestre de 2024

Mais na Exame