Tecnologia

IPCC analisa técnicas de manipulação do clima

Especialistas avaliaram técnicas como a dispersão de partículas na estratosfera para refletir a luz solar para lutar contra o aquecimento global

O IPCC apresenta seu relatório sobre mudanças climáticas, em Estocolmo (Jonathan Nackstrand/AFP)

O IPCC apresenta seu relatório sobre mudanças climáticas, em Estocolmo (Jonathan Nackstrand/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de março de 2014 às 19h16.

Estocolmo - Pela primeira vez, especialistas do IPCC avaliaram as polêmicas técnicas de manipulação do clima para lutar contra o aquecimento global, como a dispersão de partículas na estratosfera para refletir a luz solar.

O conhecimento científico "ainda limitado impede uma avaliação global quantitativa" das técnicas reunidas sob o termo de geo-engenharia e seu impacto sobre o clima, escreveu o IPCC em um resumo de seu novo relatório adotado nesta sexta-feira em Estocolmo.

"Nós não avaliamos a tecnologia, para saber se ela é possível ou não, nem os aspectos econômicos" , disse à AFP Olivier Boucher, diretor de pesquisa do IPCC e pesquisador do laboratório de meteorologia dinâmica de Paris.

"Mantemos uma abordagem puramente climática: se conseguirmos fazê-lo, qual seria o impacto sobre o clima? Funcionaria? Quais seriam os efeitos colaterais ? ", questiona o cientista, co-autor do capítulo do IPCC sobre as nuvens e aerossóis.

Neste capítulo, foram avaliadas duas técnicas: a injeção de partículas na estratosfera para refletir a luz solar (e, assim, evitar que parte do calor solar atinja a Terra) e a injeção de sal marinho sobre os oceanos para fazer as nuvens mais reflexivas.

"De um ponto de vista puramente climático, a injeção de aerossóis estratosféricos pode, efetivamente, arrefecer o clima, mas sabemos que há um certo número de efeitos colaterais", amplificando, por exemplo, as mudanças nas precipitação em algumas regiões, explica Olivier Boucher.

Outro risco: os cientistas acreditam que, se esta técnica for interrompida depois de um tempo, haveria um aquecimento mais rápido, e potencialmente de maior impacto.

Para os sais marinhos, o pesquisador considera que não há neste momento "garantias que funcione de um ponto de vista climático" , com base em simulações.

O IPCC publicou nesta sexta-feira o resumo do primeiro volume de seu novo relatório, o primeiro desde 2007. Apresentado em quatro partes até outubro de 2014, ele deve atualizar os conhecimentos sobre o aquecimento global.

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento globalClimaIPCC

Mais de Tecnologia

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

O que faz a CrowdStrike, empresa por trás do apagão cibernético

Mais na Exame