Fábrica de chips da Intel de US$ 20 bilhões será a maior do mundo

A fabricante de chips começará a construção de duas fábricas em um terreno de 1.000 acres na cidade de New Albany, que espera estar operando até 2025
 (Getty Images/David Becker / Colaborador)
(Getty Images/David Becker / Colaborador)
Por BloombergPublicado em 22/01/2022 08:57 | Última atualização em 22/01/2022 08:44Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Por Ian King, da Bloomberg

A Intel planeja gastar US$ 20 bilhões em um centro de fabricação de chips nos arredores de Columbus, Ohio, que a empresa espera que se torne o maior local de fabricação de semicondutores do mundo.

A fabricante de chips começará a construção de duas fábricas em um terreno de 1.000 acres na cidade de New Albany, que espera estar operando até 2025, disse a Intel na sexta-feira. O plano contará com as tecnologias mais avançadas e resultará em um aumento da participação americana na cadeia global de fornecimento de chips, disse a empresa.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME.

O projeto será o maior investimento de uma única empresa do setor privado em Ohio, de acordo com o governador.

Para a Intel, o movimento é um passo para recuperar sua proeza de fabricação, algo que a fabricante que por muito tempo dominou o setor perdeu nos últimos anos.

O CEO da Intel, Pat Gelsinger, tem falado sobre a necessidade de construir mais fábricas de chips nos EUA e na Europa, áreas onde a fabricação de componentes eletrônicos caiu vertiginosamente. Ele argumentou que um reequilíbrio da produção é necessário para reverter a crescente concentração da indústria no leste da Ásia.

A Intel está se comprometendo a construir em Ohio usando seus próprios fundos e esperando que o governo federal dos EUA cumpra com os recursos planejados destinados a apoiar a expansão da fabricação de semicondutores, disse Gelsinger em entrevista.

O governo Biden e o Congresso lutam há mais de um ano para aliviar a escassez de semicondutores que atinge uma ampla gama de indústrias dos EUA.

Mesmo tendo sido atingido por todos os problemas mais amplos da cadeia de suprimentos em toda a economia, o presidente Joe Biden tem demorado a pressionar pela aprovação de uma legislação chamada Lei de Inovação e Concorrência dos EUA.